domingo, 10 de novembro de 2013

Desafio EscrerDiário: Novembro para escrever – Dia 10

Acho que já nasci de quina para o conto, haja vista a dificuldade que estou tendo para escrever essa ficção mais longa e usar o espaço disponível para ‘brincar’ e tentar seduzir o leitor, ao mesmo tempo levantando e tentando refletir sobre questões mais complexas, questões humanas de todos nós. No conto não temos tantos personagens e o foco, de certo modo, mantém-se no que se quer esconder por trás das outras histórias que se conta, então esse gênero comigo parece fluir melhor. Eu não penso tanto quando escrevo contos. Penso durante as revisões, claro, mas o núcleo do texto geralmente se conserva como escrito pela primeira vez, incrível isso! Já com o  romance... estou aprendendo que preciso ter mais paciência. Outra coisa: escolhi uma história baseada em casos com um pé no mundo real, coisas assim como essas que lemos nos jornais, onde alguém é assassinado e a polícia tenta descobrir quem matou. Como a história tinha de ser algo que me mantivesse presa a ela, indignada e com raiva a ponto de poder escrevê-la por completo, noto que acabei fugindo do padrão do ‘quem matou e por quê’ para cair nos motivos que levam à impunidade, à conivência da sociedade com os crimes que vemos todos os dias no mundo inteiro e com os criminosos que andam às soltas e até mesmo aceitamos calados entre nós. Ou seja: ganhou um contexto que me permite dizer muita coisa, criar, divagar e tudo sem fugir às histórias que estou contando. Sinto que o livro está se consolidando em minha cabeça aos poucos, mas foi essencial ter uma linha reta imaginária do início ao final desejado, e do conflito principal, antes que começasse a escrever.  Estou realmente curiosa para saber até onde vou conseguir chegar. Nada foi planejado, acabei deixando de lado outras coisas para me dedicar a este desafio, mas está sendo muito bom. O que transforma o ser humano não é nem o que ele escreve, nem a quantidade, mas o simples ato de se pôr para escrever. Está acontecendo. As asas pressionam o casulo, uma lufada de ar frio lá fora fez-me encolher cá dentro e apertar as mãos. Hoje foi um dia auto-escrito e exatamente por isso não sobrou nada que eu pudesse ainda escrever.

Total de palavras escritas hoje (só da história): 0 (zero)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!