sábado, 15 de março de 2014

A Bluemaedel no Face – Outro capítulo


Essa tela é minha.

Pois é, quem acompanha minhas postagens no facebook – pense muito bem antes de entrar nessa rede, já lhe digo!! Sobrevivi ao Recanto e ao Orkut, mas ao Face... – sabe que tenho reportado a minha luta para reduzir ao máximo a quantidade de tempo que gasto lá dentro. 

O ideal mesmo seria eu nunca ter entrado, e resisti o quanto pude, só me vi obrigada a criar uma conta em 2012, e o fiz porque queria ter acesso a pessoas que estão ali dentro o tempo todo e ignoram tudo o mais que se produz fora. Outro motivo é o fato de que vivo entre dois mundos: moro na Alemanha, onde tenho minha vida real, mas não quero perder os laços com o Brasil e as pessoas queridas que tenho por lá. Ou seja: há a necessidade de saber o que ali ocorre e mais: sinto-me convocada à boa ação. Daí surgiram meus projetos literários: o Quinze Contos Mais, o Sem Vergonha de Contar e o Quintextos, sendo este último o mais ambicioso dos três, o que me exige muita dedicação e me obriga a estar na rede por mais tempo do que eu classificaria como saudável. 

Fato é que um belo dia meu esposo chamou-me a atenção para um comportamento muito suspeito: o mau hábito de TER DE consultar o face antes de ir dormir, uma última vez-inha só. Então passei a me monitorar seriamente. O objetivo era descobrir 1°) o número de acessos diários e o motivo e 2°) a quantidade de tempo gasto para tal. 

A exigência de nunca entrar sem um motivo muito claro já me ajudou bastante, mas não evitou que mesmo assim, uma vez lá dentro, eu perdesse a noção do tempo, já que naquele circo, venhamos e convenhamos, há muitas e boas atrações, uma ferramenta muito bem arquitetada para levar as pessoas a passarem a vida ali dentro, e as facilidades de acesso então, nem se fala, ninguém questiona o que se tornou ‘natural’. 

Então eu tomei um choque e de um tempo para cá passei a testar o meu auto-controle, venho tentando descobrir o quanto ainda me resta do controle que eu achava ter e não tinha há muito tempo, pois se tivesse eu faria o que eu quero e não o que o vício me leva a fazer. Vi, logo nos primeiros dias de abstinência, a minha dificuldade para não acessar em todas as pausas, principalmente antes de ir dormir ou quando estou realizando alguma tarefa enfadonha e o facebook é a ferramenta ‘perfeita’ para dar a sensação de escape da rotina, de respiração. Só que é um ar podre que se aspira e fica lá dentro nos envenando de mansinho, crescendo em nossos pulmões e nos tirando cada vez mais a percepção da realidade. É assim que me sinto no momento: envenada de tanta ‘distração’, sem falar nas propagandas. 

Então, como eu já disse, vejo-me obrigada a permanecer no Face por conta das páginas dos projetos literários e voluntários que lá administro, sobretudo por idealismo. Há muito lixo sendo produzido e eu tenho plena consciência de que tento produzir um conteúdo bom, estou ali para ajudar pessoas, para tentar chamar a atenção para conteúdos de qualidade que encontro fora do Face, e embora o interesse pelos projetos seja ainda mínimo, tirar as páginas do ar por causa dos meus conflitos pessoais não me parece justo e profissional, mas também não me parece justo tentar levar adiante o circo como se nada de mau estivesse acontecendo comigo, como se esse ‘vício’ fosse muito natural no nosso tempo.

Então, enquanto eu estiver passando por essa fase de auto-avaliação e desintoxicação, tentarei acessar menos ainda, entrando só para postar coisas relacionadas aos blogs literários. Farei também uma checagem na lista de amigos (tenho uns 193). Entrarei em contato com cada um e pergutarei se ainda desejam manter contato comigo, principalmente com aqueles que demonstraram interesse no meu trabalho, solicitando   'amizade' mas com os quais nunca troquei uma mensagem.  Caso desejem manter o contato, sempre haverá a opção ‘seguir’, que permite que as pessoas leiam tudo o que eu vier a publicar com o status ‘público’. 

Acredito que amigos de verdade e pessoas de bom-senso entenderão e evitarão cobranças de atenção e curtidas – outra praga desse meio, que leva ao vício e ao desenvolvimento de ansiedade e a um comportamento cada vez mais superficial – Sem perceber, as pessoas estão sempre esperando e cobrando dos amigos virtuais uma imediata reação, paciência é uma palavra que perdeu o sentido, bom-senso também. Assim sendo, recolho-me à minha cela de reabilitação, pois se eu que me achava forte vejo-me agora tão vulnerável, dirá aqueles que não puderam desenvolver-se emocionalmente o suficiente para lidar com vícios e nem têm o hábito de se questionar.  

A vida é uma sucessão de escolhas. Entre aceitar esse comportamento absurdo como algo natural do nosso tempo, - recuso-me a isso insistentemente - escolhi contar o meu caso, e assim me rebelo contra essa sutil forma de dominação.





© 2014 Helena Frenzel. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Sem Derivações - Sem Derivados 2.5 Brasil (CC BY-NC-ND 2.5 BR). Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

  1. Helena, como já comentei lá no face, estes seus posts a respeito do vício do face, têm-me feito refletir. Espero que você consiga resolver este conflito. Mas, ao mesmo tempo, desejo que você continue postando no face, porque a lucidez da sua escrita, os textos que você traz de "fora" do face, beneficiam muita gente que NÃO acessa blogs etc. e adianto: quero continuar a ser sua amiga no face e a acompanhar seus blogs. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Helena a doença Face é altamente contagiosa e grudenta.
    Assim como voce fui levado e quando dei por mim estava com mais de 500 amigos e aí o que fazer?
    As vezes fico espanado por não dar a atenção devida à minha pagina lá e quando vou uma chuva de comunicados de amigos queridos. Mas o Face prende a gente e leva muito o tempo, que tenho de dividir com os emails, Recanto das Letras e meu blog.

    Sei o que voce sente.
    Um abração e boa solução nesta equação.
    Beijo no coração.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!