quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Descobrindo a biblioteca com minha filha – 4 visitas iniciais


Biblioteca da minha filha no começo do ano. A quantidade de livros já dobrou, a maioria foi doação  de crianças já maiores; o livro tem mais é de circular, ainda mais se for livro infantil.


09.10.2013: Hoje levei minha filha a uma biblioteca pela primeira vez. Ela tem dois anos. Passamos uma hora folheando livros infantis, vasculhando prateleiras, descobrindo cores, formas, números e tantas coisas mais. Ela adorou! Voltamos para casa com dois livros novos, que ela mesma escolheu. Só quero ver como vai ser na hora da devolução. Tenho a leve impressão de que ela já compreendeu o que significa tomar algo emprestado, mas... vamos ver! Detalhe: o empréstimo é gratuito, só é necessário ter cadastro como usuário da biblioteca, que também não tem custo algum. Ou seja: onde livros estão disponíveis, só não lê quem não gosta, não valoriza e não quer.

23.10.2013: Ontem à noite eu disse à minha filha que hoje à tardinha iríamos à biblioteca. Desde então ela não parou de relatar nosso programa: "Buch lesen, Buch lesen (ler livro, ler livro)" explicava ela a quem perguntasse e a quem não. A prova da disposição é que ela colaborou em tudo: do vestir-se ao deslocar-se tudo transcorreu na mais perfeita paz, sem os contumazes chôroros. Foi a segunda visita, devolvemos um dos livros que pegamos vez passada e ela escolheu outro para tomar emprestado. Aproveitei e escolhi um também, um romance que se passa em Portugal, cuja sinopse me deixou muito curiosa, e o nome da autora também (depois revelo). Nossa, tantos livros bons que é difícil pegar só o que se consegue ler, mas se de grão em grão a galinha enche o papo, de parágrafo em parágrafo vou saciando minha sede de ler (e escrever também).

Essas visitas à biblioteca são parte de um programa infantil de incentivo à leitura. Uma hora de descoberta e diversão no meio dos livros e das histórias que eles trazem.

E esta nota é parte de um desafio literário pessoal.

15.11.2013: A terceira visita à biblioteca deu-se na quarta passada. Direcionada que estive em usar todo o meu tempo livre para o desafio ‘novembral’, que encerrei ontem, acabei deixando passar o registro. Minha filha ainda vinha com aquela ressaca do sono da tarde interrompido e precisou de mais tempo do que o normal para querer participar das leituras. O tempo inteiro ela só disse ‘não’, sua palavra preferida, e a bibliotecária leu então a história de duas galinhas: uma que a tudo o que lhe propunham fazer dizia ‘não’ e a outra que respondia ‘vamos tentar’ e viveram uma aventura que inverteu os motes de cada uma no final e todas as crianças pediram em coro que a bibliotecária lesse a história outra vez e todos nos divertimos. Na hora de irmos embora houve um pouco de estresse: minha filha escolheu três novos livros para levarmos para casa, mas não queria deixar os dois que pus na mochilinha dela especialmente para devolver. Expliquei que os livros não eram nossos e ela chorou, fez escândalo – muito próprio da idade aliás – mas os livros ficaram lá, onde deveriam, pois outras crianças já estavam esperando na fila para levá-los para casa. Que livros felizes esses, não? Livros que alguém quer ler. Quem quiser assegurar o futuro da literatura deve investir muito em literatura infantil, disto eu nunca duvidei.


11.12.2013: Quarta e última visita à biblioteca no contexto do programa de iniciação à leitura infantil. Minha filha passou os dias anteriores falando em irmos à biblioteca e hoje nos arrumamos, saímos de casa cedo e fomos andando devagar, tão cedo até que chegamos ao prédio e a porta ainda estava fechada. Como estava frio, convidei-a para darmos uma voltinha enquanto dava a hora certa da porta se abrir e ela: “Biblioteca, Mama.” “Filha, não podemos entrar e se ficarmos aqui paradas vamos congelar; vem, vamos dar uma voltinha e logo logo a gente volta.” Fomos, mas foi difícil convencê-la. Dez minutos depois estávamos de volta e ela, toda contente porque a porta se abriu. Tivemos uma hora de leitura bem tranquila, o tema foi a espera do Natal. No final do encontro, finalizando esta etapa do programa, todas as crianças participantes ganharam uma sacola com um livro capa-dura, muito bonito por sinal, acompanhado de dicas de leitura para os pais. Devolvemos os livros que havíamos tomado emprestado da última vez e pegamos outros três novos, livros infantis, minha filha que escolheu. Devolvi o romance da autora que, pelo nome, havia pensando ser brasileira ou portuguesa: Ana Veloso. Não. Trata-se de uma alemã, provavelmente com o gene da língua portuguesa no sangue, que estudou Romanística e morou algum tempo no Brasil. Conheço dois de seus romances, um se passa em Lisboa e o outro em uma fazenda de café em Minas Gerais, se não me engano. Não completei a leitura de nenhum dos dois, não porque não sejam bons, mas por ter outras prioridades no momento e ter de respeitar o prazo de devolução. Volto a tomar emprestado numa outra ocasião. Bom, é isso! Quis registrar esse primeiro contato da minha filha com a biblioteca na esperança de que outros pais façam o mesmo: dêem aos pequenos a chance de se apaixonar pelos livros ainda nas fraldas. Um detalhe que me deixou triste: apesar da boa divulgação as sessões de leitura foram pouco frequentadas, somente três crianças estiveram em todos os encontros e puderam levar para casa o ‘presente’ no final. Uma pena, verdadeiro motivo para lamentar


*  *  *


Sim, mas o exemplo é tudo. Essas visitas à biblioteca não teriam sido tão produtivas se minha filha não visse já o livro como um brinquedo muito divertido. Eu leio para ela desde a gravidez e depois conto, noutro post, a história do livro preferido (até o momento): Pinocchio, de Carlo Collodi. Nada foi forçado, tudo o que fiz foi apresentar-lhe os livros, ter sempre à mão pelo menos um livro infantil para ler em casos de espera ou deslocamentos e trocar ao máximo a TV pela leitura e atividades envolvendo histórias e, por último mas não menos importante: todas as noites ler com ela uma historinha antes de dormir, sem falta, como parte do nosso ritual, e há muito tempo ela já escolhe o que quer que eu leia. Houve casos de eu ler 'trocentas' vezes o mesmo livro e ela nunca se cansar, sempre pedir o mesmo até descobrir o próximo que também será lido 'trocentas' vezes (risos), mas com muito prazer. Bom mesmo é vê-la 'ler' para os bichinhos de pelúcia, ou seja: a criança repete o que vê. Como aqui em casa estamos sempre às voltas com leitura (eu com a escrita também), o interesse pelos livros foi um caminho natural. Espero que assim siga, pois o amor que tenho à leitura foi a grande herança que minha mãe adotiva me deixou, coisa que dinheiro jamais poderá pagar.


Eis a prova do prazer de manusear e brincar com os livros: 






Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!