sábado, 31 de agosto de 2013

Questão de Encontro





De tanto ler textos com má colocação de crase, estou começando à usar onde não há. Cruzes!

Pelo que entendi, que bem pode estar errado, crase geralmente ocorre quando há o encontro de dois ‘as’:  ‘a’ artigo com um ‘a’ preposição. Por isso a ‘decoreba’ de não ser usada diante de palavra masculina, que exige o artigo ‘o’; nem digo ‘exige’, digo pede por favor, que é mais educado. Ou em certas expressões tais como ‘ter uma gramática sempre ao alcance das mãos ou da vista, sempre à vista, sempre à mão’ ou ter assistido atentatmente às aulas de Português, não a todas, só às mais essenciais, aquelas chatas às quais você faltou. Estou errada, professores? Confesso que não sei, escrevo quando sento para treinar o acento e refletir o verbo. Assim sendo, não se costuma dizer (ainda!): começar a-a usar algo, até mesmo porque ‘usar’ é verbo e aqui não pode, aqui não há. Sim, havendo exceção para tudo nesta vida não se usa crase quando o ‘a’ de alcoólicos se encontra com o ‘a’ de anônimos da sigla AA, mas se digo que preciso ir à reunião do AA, que preciso ir ao AA, aí vem a crase para complicar tudo, antes da reunião, à qual acabo por não ir. Ferreira Gullar já disse: "A crase não foi feita para humilhar ninguém". Verdade, a crase existe para marcar encontros. E por falar em encontros, encontrei um texto confirmando que esta frase é do Gullar. Quanto a mim, sigo craseando quando penso que deu encontro e vou errando, como neste texto errei. E o meu erro, já encontrou? Me avise. Eis o texto:

Uns craseaiam, outros ganham fama, Ferreira Gullar.


2 comentários:

  1. Boa tarde, Helena. Acho que a vírgula é ainda por que a crase. Tenho um problema danado com isso. Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Helena. Linguinha difícil a nossa! (Ou sera à nossa?... Não... mas... à nossa saúde!).

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!