sexta-feira, 12 de julho de 2013

Mas a leitura, Chê, para quê que serve?


Foto: (c) 2013 HF - Acervo pessoal.


Para  Maurem Kayna

Da leitura me sirvo até saciar. Tenho sêde de ler. A leitura envolve, seduz, é prazerosa ocupação. Distraída, sigo lendo o que me passa diante dos olhos: jornais, revistas, placas, livros, blogs... Porém leio devagar, usando o talher da escrita para separar as espinhas. Leio para aprender da vida, leio para me informar, leio porque há textos disponíveis e leio porque aprendi a decifrar: códigos muitos. Ler é conversar em silêncio, é dialogar com os outros sem precisar mover os lábios sequer. Gosto de idéias mas não suporto o ruído dos que as expressam em bocas sem rédeas, ignorando o interlocutor. Ler nos leva a uma conversa centrada, onde cada palavra tem função, onde pausas têm significado e a regência é do leitor. Ler permite distrair do mundo, da vidinha que afoga a todos. Ler permite abstrair do mundo, considerar uma parte só, isolada do todo; permite ver as coisas através de olhares outros. Cada ser é único. Ler é uma forma de espiar cada um desses mundos num silêncio de deuses, com poder de decisão. Ler pode nos acordar para certas coisas, mas também alienar, pode iludir ou incomodar, nos leva a refletir ou a revolucionar. Ler pode nos distrair, ou nos fazer concentrar, ler pode abrir passagens, e também: fechar. Ler não pede muito, basta focar, olhar para o lado e juntar palavras escritas soltas pelo ar. Ler é automático, não custa caro, ler não causa LER(1) mas, o mais claro: na leitura não servimos, somos servidos, somos livres, talvez única dimensão em que ‘liberdade’ realmente há. Não?

(1) Referência a um a série de crônicas "Ler não causa LER" publicadas no blog do escritor José Cláudio Adão.


Um comentário:

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!