segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Engrenagens




Peças. Grandes conseqüências, pequenas ações: tal relação nunca deixa de me impressionar. Sem saber ou estar querendo podemos impulsionar mudanças nas vidas das pessoas, interferindo em suas decisões. Pois assim uma ‘achegada’ conta: que se hoje vive na Alemanha deve a algo que um dia eu lhe falei. Eu digo que é exagero e agora explico: quando nos conhecemos, ela estava atordoada com a língua ‘y otras cositas más’, perdida na confusão que toda fase de adaptação traz. Descendente de alemães nascida no Brasil, ela havia já feito visitas e até intercâmbio nas terras de Teutates, mas língua é justa e manhosa: não usou, enferruja, só aparece quando a necessidade está e permanece. Se as crianças, que são crianças, precisam de uns três anos para dominar relativamente as que ouvem todos os dias, imagine alguém passado dos trinta que só ouviu CDs e fez umas aulas de quando em vez para refrescar?! Pense! Ela falou: vou voltar para o Brasil e aprender Alemão primeiro, depois volto para cá. Ao que eu comentei: Pô, você está na Alemanha e quer aprender Alemão no Brasil?! Não faz sentido... Pronto! Deu-lhe um estalo no cascalho e de lá para cá, ela conta, sua vida começou a mudar. Na tempestade de areia fechamos os olhos, e com olhos fechados o óbvio é difícil ver. Ajudei-a a encontrar um curso de línguas, ela logo arrumou apartamento, amigos e do resto a vida se encarregou. Hoje ela trabalha para uma multinacional, tem vida própria e está bem. Outro dia ela veio de visita e recordamos esse começo. Com ou sem exagero, fui uma peça nas engrenagens de sua vida, assim como uma peça-chave na minha fez-me alterar hoje cedo a foto do meu perfil. O que é corriqueiro para muita gente, para mim foi um importante marco: uma nova etapa começou. 



Copyright 2012 (c) - Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão da autora.

Um comentário:

  1. Mas você está absolutamente certa, Helena! Os antigos já diziam "diz-me com que andas e dir-te-ei quem és", e com certeza esse ditado não caiu de paraquedas para chegar até aqui intacto. A frase que vc disse à sua amiga foi oriunda de um raciocínio completo, que por estar no meio da tempestade ela não conseguiu intuir. Aí chega vc e tcharamm! Iluminou a vereda e oportunizou o insigth! Assim é a vida. Uns influem sobre os outros, a gente se ampara mutuamente. Ou cai junto! É tbm isso pode acontecer! Simples assim, complicado assim.
    Beijos amiga, adorei o texto. Sabes até me deu vontade de recuperar meu blog de novo! Viu só as engrenagens?! Bjs

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!