domingo, 8 de julho de 2012

De Rosas e de Flores


Colhi o que plantei. Trabalhei duro para pagar quem educou meus filhos e ainda o fizeram mal. Ah, tivesse gasto meu dinheiro em outras coisas, prazeres, tantas terras para ver... Fui um besta! Casei cedo e fui manso, vivi na mesmice até que Ela apareceu. Perfume rosa e pele de noviça anunciaram céu e provações. Relaxado e feliz, com a paixão me atiçando a recomeços deixei casa, família, fiz o que achei melhor. Única vez em que segui meu coração e as palpitações cessaram. Não me arrependo. Tremo ainda todo ao ver nos olhos Dela, meio-verdes, meio-mel, o brilho bobo em meu olhar, então o breu que arrebatou-me e a terra que me acolheu. 


Sou um Flores, mas a caca de urubu sobre a lápide deixou-me singular – Flor. Menos pelo que fui do que pelo agora sou: um Flor que não se cheira, reconheço. E foram as rosas que partiram, melhor dizendo: deixaram-se levar. Dizem que plantas têm escrúpulos e disso nada sei. Desprezei-as, fui hostil, odiei a sua origem e odor de traição. Melindrosas, deram mãos ao vento e foram, dissimuladas, rastejando até o portão, onde fica o lixo. Uns valorizam o que outros jogam fora, e como eram brancas, confesso que lindas, não passaram longo tempo lá. 

Mas eu devia ter evitado sementes, Flores tão semelhantes, como o filho que veio me ver. Rosas: durma com elas, acorde espetado. Não cheire, mande-as embora antes que seja tarde demais. Ao depositá-las em meu túmulo naquela tarde ele nada disse, mas pude ver aquele brilho vadio em seus olhos, o mesmo brilho bandido que um dia cegou os meus. 





Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

3 comentários:

  1. Teu texto está pungente, helena... belo.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Helena. Estou me lembrando aqui das Alegres Memórias de um Cadáver, com esta mesma fina ironia de seu gostoso texto. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. Oi Helena, bonito, e evolvente texto!Gostei de encontrá-la no Facebook!Um ótima semana!Abraços, Van.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!