segunda-feira, 9 de abril de 2012

A palavra da vez é...



CALADO!

Calado, particípio do verbo calar, se eu me calo e tu te calas, um terceiro vai falar. E se nos calamos todos, concordamos com a mudez, quem se cala ou fala pouco, perde a voz ou perde a vez. Emudecendo entendidos, brilharão os fanfarrões, calar-se-ão os verbos, silenciará a razão. Mas, tendo-se nada a dizer, prudente é guardar a voz, silenciar a agonia impressiona o algoz. Faz mais barulho, quem sabe, o calar de vez a voz, mais forte é o julgado fraco, mais forte, quem está só. E o calado, substantivo, também sabe silenciar, cala por conselho ou juízo, por ordem ou medo de errar, pois o calar-se está na base, a que não pode faltar. Estar em silêncio profundo por vezes nos faz flutuar; manter a boca fechada: melhor dieta não há! Calado também se encontra falando-se de embarcações, como pouco manejo disto, calar-me é imposição. E ao terem-me calado, passiva é a minha voz; para voltar à ativa, solto a língua, elevo a voz - GRITO!




---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 09/04/2012
Código do texto: T3602581


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!