segunda-feira, 7 de março de 2011

Escrever e ler: a velha questão

    Imagem: Colagem Homo Conectus Lesus - (c) HFrenzel


É sempre desafiador pensar na relação de um escritor ou escritora com seus leitores. Eu, por exemplo, mentiria se dissesse que não me considero nem um pouco escritora; sou, pelo menos, aprendiz. Além do mais, só eu sei quanto trabalho e seriedade se escondem por trás deste hobby. Claro que, como outros, já me perguntei várias vezes por que escrevo, e descobri que não é pelos leitores, não em primeiro lugar. Uns dizem que apenas escrevem e nunca se perguntam o porquê. De fato, não duvido: cada um é cada um. Ainda que seja clichê esse pensamento, ninguém jamais conseguirá arrancar dele a verdade que traduz. Pois bem, hoje de manhã, li uma crônica da Zélia Maria Freire que colocava exatamente esta questão: o tipo de escritor(a) que alguém deseja ser. Pensando no meu caso, por temer qualquer tipo de dependência, sou (pelo menos tento ser) muito cuidadosa neste quesito. Não diria que é medo, mas há um risco colossal de um autor deixar que sua escrita e idéias sofram influencia ou sejam manipuladas pela opinião de seu público, caindo muito facilmente na armadilha de querer agradar e acabar traindo a si mesmo. Não, não vivo nem penso em viver da venda dos meus escritos — falando sério: ainda não me convenci de que tenho real talento para isto. Cada dia que passa, mais me convenço de que escrever por fama ou dinheiro só acabaria com meus ideais, mataria a alma da minha escrita. Prefiro me ver como alguém que trabalha para poder escrever livremente e se apaixona cada dia mais pela Literatura, pela ilusão de poder que o domínio da palavra parece dar. Talvez eu escreva, ainda, só porque tenho histórias pra contar — no dia em que acabar o estoque, encontro outra coisa pra me entreter. E não que eu queira mudar as pessoas ou o mundo, isso não; talvez apenas a mim mesma e, no mínimo, deixar registro de quem fui — ou de como me senti em certos momentos — para as futuras gerações, ou para quem minhas ‘letripulias’ possam vir interessar.




----------------------------------------------------------------------------
Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 03/03/2011
Código do texto: T2826044


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


3 comentários:

  1. OI, Helena! Acho que quem escreve para agradar está mais próximo de um técnico em escrita do que de um escritor propriamente. Como você disse e eu concordo, escrevo para mim anteriormente e depois pensando no leitor, claro. É uma espécie de terapia cotidiana e se servir para alguém sentir satisfação, refletir ou mesmo ninar, já me dou por realizado. Se por acaso ganhar algum com isso, melhor ainda. Nesta ordem. rsrs. Meu abraço. paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Helena, voltei para deixar um abraço especial neste dia . Você faz parte daquele time de mulheres que faz a gente ver que o mundo é melhor do que se nos apresenta. Muita paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. Helena,
    Excelente texto.

    Eu acho importante a opinião do público, contudo, não me deixo levar por ela. Na verdade, quando publico meu texto no blog, nem sempre o dei por finalizado, pois, não deixei esfriar muito a idéia. Depois de ali postados, alguns sofrerão muitas alterações, outros nem tanto, ou nenhuma (eu acho que os blogs são para isso tbm –uma espécie de rascunhos). Sou detalhista, quase sempre mudo alguma coisa, sim! Deixe que se passem os dias!... /rs/. Falando em fama, eu não fico tentando agradar ninguém porque isso dá mais ibope que aquilo.... eu escrevo aquilo que tenho vontade, sem me preocupar com ninguém... se vão achar que é exótico demais (esquisito), ou sei lá o quê!... Se agradar e quiserem ler, sejam bem-vindos, se não, sinto muito, este é o meu estilo. Acredito que a fama deveria ser conseqüência de um trabalho bem realizado, mas na verdade não sei bem como ela vem, talvez seja quem vende melhor o peixe!(?) Não sei!... e vamos mergulhar....

    Parabéns pelo “Dia Internacional da Mulher”. Flores para ti!... Beijos,

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!