domingo, 9 de janeiro de 2011

Cama, discussões e 'otras cositas más'


“Para ela a vida girava em torno de uma cama.”

Perde tempo quem prossegue a leitura esperando encontrar aqui alguma coisa erótica. Está certo que esta é uma das associações adultas mais freqüentes à palavra 'cama'. Confesso que foi essa também minha primeira idéia ao ler tal frase, ainda mais porque se referia à pintora mexicana Frida Kahlo, uma de minhas preferidas, diga-se de passagem. E Rosa Montero, em suas Histórias de Mulheres, foi a autora de trocadilho tão, digamos assim, safado... ops!! quis dizer pensado, bem-pensado!

Rosa Montero é colunista de El País e por isso mesmo deve conhecer muito bem as estratégias para pescar leitores. Embora a tenha lido há mais de três anos, amanheci outro dia com a dita frase na cabeça. Lembrei de uma pequena discussão que tive com uma menina sobre a classificação das obras de Frida como surrealistas — uso ‘menina’ só por ela ser muito mais jovem do que eu, nada pejorativo.

Lembrei a ela, à menina, que independente de como os estudiosos de arte classificarem sua obra, hoje ou naquela época, Frida dizia que eram resultado do que via e sentia, e de olhos bem abertos, e não de coisas do inconsciente, uma das marcas d`água do chamado surrealismo de André Bretton, Salvador Dalí e outros considerados surrealistas. “Não se trata de discutir classificação”, disse-lhe, “e sim de lembrar o que disseram os artistas mesmos sobre suas obras”.

Discussões vãs, evito ir por esses pântanos. Em verdade, o que não é fato comprovado, é pura crença ou opinião. Quem sabe, mais adiante, eu venha a ensaiar uma análise buscando argumentos que fundamentem essa minha opinião sobre a obra de Frida. Não por disputas tolas, claro, muito mais pelo prazer de ocupar-me com alguém que admiro.

Na vida, assim como na ciência, é sinal de loucura ou imaturidade sair por aí repetindo teses próprias ou alheias sem antes havê-las sequer tentado comprovar. Tem gente (graças a Deus) que não vai engolindo logo tudo o que ouve, e sim que reflete, questiona e fundamenta suas idéias antes de soltá-las por aí. E neste ponto, penso eu, tropeçam e caem muitos inexperientes.

Ao ver alguém caminhando em direção a um abismo, sinto-me na obrigação de pelo menos avisar do perigo. Alegria pelo fracasso alheio é veneno para o próprio coração, e para ficar em paz com a minha própria consciência, tento manter afastada a couraça da arrogância —  muito comum no meio empresarial e acadêmico —, e tento dizer, em claro e bom tom: “Ei, tem um abismo enorme bem ali à sua frente”.

Se a pessoa se faz de surda, seja por insegurança ou imbecilidade, fazer o quê, não? Por falta de aviso ou não, quedas são parte da vida. Se sobrevivemos a elas, e conseguimos tirar algo positivo, tornamo-nos muito mais fortes. Fabulosos os mecanismos que a mestra vida usa para nos educar!

Como está na moda dizer que TUDO foi a Evolução que nos ensinou — Terá sido mesmo? —, e estando eu insegura sobre isso, não posso afirmar que a Evolução nos ensinou a ter CUI-DA-DO. Essa palavra, agora, me soa de modo bem especial, pois associei-a a uma anedota que García Márquez contou num evento.

Disse que, ainda garoto, ia tranquilamente pela rua quando um padre, do outro lado, vendo que ele estava a ponto de ser atropelado por um homem que vinha em uma bicicleta, gritou: “CUIDADO!!”. O homem levou um susto tão grande que caiu da bicicleta, livrando o menino do atropelamento quase-certo. O padre, então, gritou para o garoto: “Você sabe o poder que tem a palavra?” E García Márquez concluiu a anedota dizendo: “Naquele dia eu soube!”.

Adoro histórias deste tipo. São tão puras, simples, e têm uma força capaz de passar por séculos sem perder a vitalidade e a magia. E com CUIDADO, penso que, quando alguém tem uma crítica a fazer (construtiva, claro) só deve externá-la se tiver pelo menos um fundamento.

Já aconteceu de alguém chegar pra mim e dizer que não entendeu algo que eu disse ou escrevi, coisa perfeitamente normal. Fugindo do princípio Quintaniano que prega “Se alguém não entende um texto, um dos dois é burro: quem leu ou quem escreveu”, minha tendência natural tem sido sempre perguntar à pessoa o quê especificamente ela não entendeu.

Venhamos e convenhamos, para que um diálogo continue, necessária é a condição que venha uma resposta do outro lado. Não vindo pois qualquer manifestação, só resta ao autor fazer como Pilatos e lavar as mãos do sangue de (inocentes?!) interpretações.

Sim, e a cama? Onde entra a cama em tudo isso? Ler na cama é bom, desde que não sejam leituras que nos roubem o sono. Sim, Rosa Montero joga com essa idéia de que, para Frida, a vida girava em torno de uma cama pelos vários anos em que ali viveu, e morreu, por conta de um acidente que lhe marcou profundamente. Talvez sua obra não tivesse nascido se ela não tivesse sido condenada à prisão da cama. E nessa prisão, paradoxalmente, Frida sentiu-se livre para soltar as amarras de seu pensamento, perdendo (talvez) o medo de experimentar.

Numa cama, Frida passou muitos anos de sua vida. E eu estive presa a uma por poucos dias só. Já faz tempo. Poucos sim, mas que valeram por todos os outros vividos até ali; dias em que tive que me colocar no lugar de pessoas que têm uma cama como morada fixa; dias em que tive que reaprender o básico do básico; dias de recomeço.

Não sei se numa cama me conceberam — isto também não importa aqui, Helena! —, mas numa cama de maternidade nasci, e numa de UTI re-nas-ci. E é por isso que em janeiro passei também a comemorar aniversário: o renascimento que a cama me trouxe, uma nova percepção das pessoas, e da vida. Um desejo de fazer novo, tudo, tudo de novo e muito melhor.



----------------------------------------------------------------------------
Se deseja reproduzir este texto no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 09/01/2011
Código do texto: T2718469


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

  1. Oi, Helena! Eu fico me questionando às vezes até quando determinadas condições objetivas fazem com que altere a subjetividade do sujeito e isso passa a fazer parte de suas ações, seja na arte ou mesmo numa outra atividade qualquer. Estou falando sobre Frida, Niesztche, Bethoven e outros cuja obra produzida tem relações com sua condição. Mas é um questionamento meu apenas, não o utilizo para fazer críticas nem julgamentos, apenas para tentar um entendimento. Meu abraço. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, ou boa noite, Helena, dependendo do horário, pois estou na Austrália e você, presumo, no Brasil. Congratulo-me, antes de tudo, por haver escolhido este seu blog para acompanhamento, fato que me ensejou, logo como estreia, ler sua resenha do livro de Rosa Montero. Apreciei sobremaneira a junção feita entre seu humor e senso de oportunidade para abordar aquela particularidade da trágica vida da pintora Frida Kahlo. Parabéns, menina, agora sou eu quem lhe pede permissão para o tratamento, baseado no evidente distanciamento entre as datas em que nós ambos choramos pela primeira vez neste mundo, não importa se em cama, manjedoura, ambulância, táxi, ou na relva mesmo. Abraços.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!