terça-feira, 24 de agosto de 2010

Tomar...

leite, banho, chá de cadeira
vergonha, surra, satisfações
na cara, no ouvido, erva cidreira
jeito, consciência, uns safanões

notas, tempo, vinho e sangria
“tento”, coragem, remédio, carão
benção, cerveja, pílula e pinga
rumo na vida, café, direção

Tome!

                  * * *

Da série
‘Poesia básica trivial e necessária - para mim!! -
Verso de cada dia nos dai hoje, sim?’
Helena Frenzel
Publicado também no Recanto das Letras em 24/08/2010
Código do texto: T2456867




Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Eu não poderia comentar com outro poema? EMBRIAGUEM-SE
    "É preciso estar sempre embriagado. Aí está: eis a única questão. Para não sentirem o fardo horrível do tempo que verga e inclina para a terra, é preciso que se embriaguem sem descanso.

    Com quê? Com vinho, poesia ou virtude, a escolher. Mas embriaguem-se. "/BAUDELAIRE
    Abração, Helena! Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!