sexta-feira, 11 de julho de 2014

Uma casquinha para a reflexão



Recebi este email de uma amiga. Achei a mensagem tão linda e necessária que pedi a ela gentil permissão para publicar.

Por Márcia Montenegro

“Amiga, dia desses meu filho presenteou-me com uma grande lição de vida. Foi mais ou menos assim: ele teve um ótimo dia! Brincou, foi alimentado, cuidado, protegido, afagado, cercado de mimos, carinho e orientação. Ao final do dia fomos ao shopping e compramos roupas novas, sapatos e jogos de x-box, depois lanchamos no lugar escolhido por ele e quando já estava farto de todas as coisas, ele desejou um sorvete de casquinha. Pense, um mero sorvete de casquinha. Ocorre que quando meu marido foi comprar o tal, as lanchonetes já estavam fechando e a compra não foi possível. Meu filho então iniciou um choro lamentoso que se prolongou até o estacionamento. Ao chegarmos em casa, achei por bem perguntar a ele, esperando uma resposta entusiasmada face a todas as coisas bacanas que ele havia vivido e ganho naquele dia:
- Filho, você gostou do seu dia? Ele, de pronto, respondeu: - Foi o pior dia de todos! Perplexa voltei a indagar: - Mas por quê, filho? Ele saiu com essa: - Porque eu não ganhei sorvete de casquinha!
Meu marido e eu nos entreolhamos e, depois de corrigi-lo (o que o fez sair ainda mais chateado do quarto), comentamos que a pouca maturidade do nosso menino o fez dizer tamanha bobagem. Voltei-me para o meu marido e disse:
- É assim mesmo que nos portamos diante de Deus e do Nosso Senhor Jesus, meu querido, Dele tudo recebemos, a começar por este planeta lindo que insistimos em vilipendiar, até a nossa família, marido, filhos, pai, mãe, irmãos, amigos, trabalho, sustento, inteligência, saúde, habilidades, oportunidades. Recebemos tudo isso com ares de que assim o é por nosso próprio merecimento, e, se merecemos, tanto faz conservarmos tais coisas ou não, cuidarmos ou não, valorizarmos ou não, porque, segundo esse raciocínio, no final das contas novas e novas oportunidades nos serão dadas. Portanto, se lançamos fora a rica experiência do viver em família, basta arranjamos outra para substituir a anterior, se não estamos lá muito satisfeitos com o trabalho, rapidamente arranjamos um culpado para nossas agruras, vestimos a capa de vítimas e, certos de que mereceremos algo melhor (afinal a culpa é sempre dos outros), perdemos mais uma oportunidade de refletir, aprender e servir.

A pedra de tropeço desse modo de pensar e viver é que não somos credores da graça divina, antes, meros despenseiros da sua misericórdia. É por amor incondicional que tudo isto nos chega às mãos, não por justiça.
Enfim, Ele satisfaz até os nossos pequenos e mais pueris desejos (quem pode negar isto?), e, como não bastasse, arremata esta extensa lista de benesses concedendo-nos a esperança e a oportunidade de salvação, mediante a graça que há em Cristo Jesus.
Assim o faz, e, ao final de cada dia, de Sua boca misericordiosa e amável ouvimos em algum lugar de nossas almas esta simples pergunta: “Então, meu (minha) filho(a), como foi o seu dia?” No que, não raro, nos apressamos em responder: “Não foi tão bom assim não, o Senhor não me deu o sorvete de casquinha que eu tanto queria...”
Somos ou não somos crianças em espírito?”

* * *

Tanto acho que somos crianças em espírito, em nossa grande maioria, que resolvi publicar esta bela reflexão na esperança de que possa servir a outros, dado que a mim já serviu: me fez recordar que tudo é questão de perspectiva e que o mundo não gira em torno de nós.

Obrigada, Márcia, pela partilha. Muito mais Luz para você!



© 2014 Helena Frenzel. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Sem Derivações - Sem Derivados 2.5 Brasil (CC BY-NC-ND 2.5 BR). Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

4 comentários:

  1. E há quem reclame mesmo após receber o sorvete de casquinha, porque ele não era de chocolate...

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto! As crianças nos pega cada peça...

    ResponderExcluir
  3. A família é de fato uma rica seara de aprendizado, o mais importante laboratório de experiências a nossa disposição. Se tivermos olhos de ver e ouvidos de ouvir ela acaba por nos revelar muito da nossa própria relação com Deus, o que me faz pensar que essa ideia de avós, pais, filhos, irmãos é uma fabulosa sacada do Criador para traduzir no nosso mundo de relações o que é espiritual, algo assim como uma metáfora humana do que é divino, mas uma metáfora viva, experimentável e rica de significados, do mesmo modo que utilizamos os jogos infantis para ensinar nossos pequeninos as intrincadas relações da vida adulta,

    ResponderExcluir
  4. Oi, Helena. Passei para te dizer que eu a indiquei a um prêmio em meu blog A Casa & a Alma. Passa lá? Abraços!

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!