sexta-feira, 28 de março de 2014

Sobre Audiência

Outro dia uma amiga comentou comigo que iria parar de atualizar o seu blog, pois se fosse para seguir publicando e não tendo leituras, melhor seria voltar a manter os escritos na gaveta, como antes. 

Acho que eu não me preocupo tanto assim com audiência, na verdade nunca me preocupei e a prova disso está na falta de esforço significativo da minha parte para agradar ou ser popular, para ‘ganhar seguidores a qualquer custo’.

Ora, uma pessoa que entende como funciona um pouquinho só do mecanismo dos algoritmos sociais poderia tentar tirar melhor vantagem deles, não? Mas é justamente isto o que eu nunca quis para os meus blogs: a falsidade dos números e das estatísticas, a pura aplicação de técnicas de publicidade e vendas.

Outro dia recebi um convite para assinar uma newsletter de um blogueiro cujo blog eu leio de quando em vez. Assinei, passei um tempo recebendo e depois cancelei. A newsletter seria uma forma de ‘estreitar’ o contato com os leitores, pois ele também se dizia insatisfeito com a audiência dos seus blogs e trouxe um feixe de queixas comuns entre blogueiros ‘profissionais’. Aconselhou os leitores a deixarem os blogs e partirem para as newletters, que era ‘a estratégia’. 


Eu tentei contato com ele, mas nossa conversação não foi adiante e não foi porque para ele talvez eu fosse apenas um número e exatamente por isso eu tenho horror à palavra ‘seguidores’, bem como ao 'curtir' e peço a Deus que meus blogs continuem tendo pouca audiência, o que me permite dar uma atenção mais honesta às pessoas. Quem quiser falar comigo terá minha atenção, sempre que possível.

Deixo essa caixinha ativa no meu blog, a de seguidores, por uma questão de praticidade apenas, para que quem deseje cadastrar-se e seguir as postagens possa fazê-lo sem problemas no mecanismo usual, mas já pensei várias vezes em retirá-la, pois até a exibição de números de acessos e quantidade de seguidores pode influenciar o comportamento dos visitantes de um site. No caso do Bluemaedel, por exemplo, há uns 37 seguidores que foram se juntando ao longo de cinco anos, mas a grande maioria deles NUNCA se manifestou. Então me diga como é que eu posso cair numa balela dessas? Jamais! :-)

Pois não me preocupo tanto com audiência, digo ‘tanto’ pois se dissesse que não me preocupo nem um pouco eu estaria mentindo, e esse post seria uma contradição. Eu me preocupo sim, mas tento manter sempre os pés no chão. 

Gente, quanto mais uso a Internet nos últimos anos, maior a minha impressão de que isso aqui é tudo ilusão, tudo aquilo que eu não puder trazer para a minha realidade, para mim é irreal: contatos principalmente, a sensação de estar regando flores de plástico – obrigada Afonso Cruz! – e o que é pior: “trabalhando duro para regar uma vida dessa”. Pode?! Pra lá!

Querem saber para quem eu blogo? (Aqui falo dos meus blogs pessoais). Blogo para o futuro, blogo para a minha filha, minha família e meus amigos, blogo como um registro pessoal, um registro público que eu não poderia mudar facilmente sem ter de mentir para mim mesma. Ou seja: meus blogs são uma parte da minha gaveta onde eu coloco coisas que outras pessoas também poderão ver sem problemas, mas se ninguém estiver a fim de lê-las, por mim tudo bem, meu prazer da escrita e edição completou-se já com a publicação e a visualização de um resultado que por certo me agradou naquele momento.

Escrevo, e publico, primeiramente por pura satisfação pessoal, depois pela partilha, e isso me permite continuar blogando e usando a Internet sem tirar meus pés do chão, sem iludir o meu olfato de que sinto o perfume das flores de plástico, não sinto, sinto o cheiro do plástico, não das flores, muito menos os odores da vida real.

Escrever sem compromisso e ou escrever para ninguém é, de fato, uma grande liberdade, uma das maiores que já experimentei.






© 2014 Helena Frenzel. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Sem Derivações - Sem Derivados 2.5 Brasil (CC BY-NC-ND 2.5 BR). Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Não sei se você vai acreditar, mas mandei um contato com pedido para estreitar nossa relação antes de ler isso aqui!

    Um cheirinho de flor e terra molhada para você.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!