domingo, 5 de janeiro de 2014

Para ti, outra vez

Escrevi o texto a seguir em 2012, pela passagem do aniversário de uma grande amiga. Como não havia ainda compartilhado com outros amigos, aproveito a volta do calendário para publicá-lo aqui e renovar meus votos de Feliz Aniversário todos os anos e tudo, tudo de bom!

*  *  *

Para Ti





Alegria, alegria, Isabel, porque: “o que Deus ordenou” teu nome significa, e vem de Elisabeth, nome de rainha, elischeba, nome hebreu. Alegria, alegria porque, neste ano de dois mil e doze, dos maias e dos incas, além de ti, aniversariamos também nós: há quase vinte anos estávamos para nos conhecer, após o Carnaval. E parece que foi ontem. Ah, recordações...

Metendo-me como meto-me a ‘gravarunhar’ de vez em quando, não pude deixar de ‘atentar’ um texto para a ocasião. Repito: parece que foi ontem, MESMO, até mesmo quando te tornaste mãe. Na época, confesso, foi difícil, para mim, entender a grande mudança e a constante falta de tempo que alegavas, por ter de sumir dos amigos, voltar-te para quem requeria cem por cento de tua atenção, e a teve, e tem: teu filho, tua família.

Pois bem, agora que também sou mãe compreendo-te perfeitamente. Com filhos, a coisa é assim mesmo: não se pode ter preguiça, não se pode dormir, telefonar e, logo no começo, por vezes, não se tem tempo sequer para escovar os dentes, tomar banho, ir ao banheiro; tem que se fazer tudo rapidinho, relâmpago! E família deve vir sempre em primeiro lugar.

Fecho os olhos, muitas vezes, e vejo uma noite: Araçagy, bar à beira-mar, um ventinho frio gostoso, Everaldo tocando e nós caetaneando músicas alheias, djavaneando Tom, Marisa e outros, sem nos preocupar os copyrights. O que fazer com as canções libertinas que, sem querermos, incorporam-se às trilhas sonoras de nossas vidas? Como pagar pelo pecado de poder ouvir e recordar? Das músicas bem conhecemos e respeitamos a autoria, e por serem parte das histórias das gentes cantarolamo-las sem pensar. “Um cantinho, um violão” (1), uma roda de amigos, e isso fizemos: cantamos o amor à vida, a alegria de celebrar.

E pra não dizer que não falei de caranguejos, de comer toc-toc e casquinha na praia, tens toda razão: é coisa cultural, estrangeiro não entende! Sem tirar a teoria ‘fookniana’ do preparo da casquinha: a velha debaixo da pia, depois de ter saído da cama, mastigando a massa que vai parar lá - DENTRO. Credo! Ridículo! E esses ‘ridículos’ só me fazem lembrar de ti, de nossa fala peculiar, da uni e dos domingos litorâneos com pizzas e sorvetões, da água de coco, do Reggae, da Crioula, do Boi e do Reviver, até mesmo da Maguinha, que César fez nascer (2).

Pesadelo então é acordar e pensar que nada disso tenha existido, que sonhei apenas, que... Mas deixo logo disso pois “na fotografia estamos felizes, são anos dourados!” (3), o que sela estas recordações, que são meu presente para ti. Não te ligo afobada pra desejar tudo de bom, mas deixo aqui um registro (para a posteridade talvez) do quanto ter amigos, amigos de verdade, é muito bom.

Feliz aniversário, Isabel, saúde, força e fé!

* Trecho de Isabella, Tom Jobim.
(1) Trecho de Corcovado, Tom Jobim.
(2) Referência à canção Maguinha do Sá Viana, de César Nascimento.
(3) Trechos de Anos Dourados, Tom Jobim e Chico Buarque.


Helena Frenzel


*  *  *


© 2014 Helena Frenzel. Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons - Atribuição - Sem Derivações - Sem Derivados 2.5 Brasil (CC BY-NC-ND 2.5 BR). Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

4 comentários:

  1. Texto maravilhoso, impecável, escrito numa emoção capaz de tocar a cordinha mais profunda do coração. Encanta-me esta sua intimidade com as palavras, Helena. Parabéns a você e à Isabel por merecer tão linda homenagem. Marina Alves.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marina Alves. Muito bom ter sua presença aqui!

      Excluir
  2. Que belo texto, Helena! tenho certeza de que ela ficou comovida... adorei ler. ter amigos verdadeiros está ficando cada vez mais raro, e encontrar um é como dizem: encontrar uma agulha num palheiro. É preciso valorizar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, "amigo é coisa para se guardar debaixo de sete chaves, dentro do coração, assim falava a canção que na América ouvi…". Obrigada, Ana!

      Excluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!