quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

A condição indestrutível de ter sido

… por alguém um texto lido.


Sim, e isto ninguém pode mudar. E se apreciado, tanto melhor!

Não me julgo saber escrever, muito menos resenhar, mas por ter visto idéias interessantes neste texto, permito-me comentar:

O que me levou a conhecer este título foi uma resenha de Juliana Gervason, do blog O batom de Clarice, seguida de uma entrevista com a autora, Helena Terra, no mesmo blog aliás; muito bem feita por sinal (a entrevista).

Fiquei com vontade, mas não pude comprar logo o livro. É que comprar livros brasileiros no formato convencional ainda é muito complicado para quem não vive no Brasil, que é o meu caso.

Bom, há poucos dias descobri uma versão em ebook, bem em conta aliás, e depois de ter lido a amostra, e com base na dica da Ju, comprei-o-ho-ho-ho! Meu presente de Natal – ô coitada!

O ebook tem 79 páginas e li em poucas horas, até mesmo porque a leitura cresce numa linguagem muito bem trabalhada, que dá a impressão de fluxo até desaguar, calmamente, num final inusitado. Sim, gostei, da linguagem sobretudo, e quem gosta de brincar com palavras poderá também gostar, mas não sei se a história agradará a leitores que andam um tanto saturados de auto-ficção. Porém, dependendo da cultura em que o leitor (mais provavelmente a leitora) esteja inserido(a), mais diversa poderá ser a recepção da narrativa, principalmente no que tange ao comportamento feminino e todos os tabus ligados a ele, bem como à questão de ser ou não auto-ficção.

Trata-se do livro de estréia da autora - exatamente por isto despertou-me a atenção - e conta a história de uma protagonista sem nome, blogueira e dona de um perfil psicológico no mínimo interessante, gerador de muitas questões, sem falar no papel de representante genuíno de comportamentos nesta era de relacionamentos virtuais. O texto é narrado em primeira pessoa e traz somente a perspectiva da protagonista, suas ‘impressões’.

Um livro que proporciona uma leitura no mínimo prazerosa e que só por isso já vale recomendar.

Havendo discordâncias, o que é bem desejado em litera-leituras aliás, deixo aqui outras partes, das várias que achei bom marcar:

O vocabulário (...) era claro. Sua sintaxe, perfeita. Imperfeita era a minha leitura.” (pg. 68)

“O amor é uma invenção. E invenção não é o mesmo que fantasia, é criatividade e inteligência transformada em realidade.” (pg. 31)

Teria sido mesmo o caso de auto-ficção? Literatura também é isso: dúvida da invenção. Ou talvez “a falta rude de poesia no cérebro e na linguagem” do mundo nos faça, às vezes, acabar “concordando com monossílabos.” (pg.34) 

Hã?!

Fica então o convite: ler e pensar.



A condição indestrutível de ter sido,  Helena Terra,  Editora Dublinense.




Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito à autora original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Oi, Ana Bailune, tem na Amazon, sim.
      Onde vocês moram, gurias (Ana e Helena)?
      beijo

      Helena Terra

      Excluir
  2. Olá, Helena :)
    Acabei de ler sua resenha. Você escreve muito bem.
    Será o texto auto-ficção ou não?
    Mas é um questionamento que eu não posso responder.
    Perderia um pouco da "graça" do livro, não é?
    De qualquer forma, uma coisa é verdade: todos somos um pouco a minha personagem, que quem não caiu da própria altura em uma relação na vida só não caiu porque ainda é criança rsrsrs

    beijos

    Helena Terra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Helena. Vindo de você só posso considerar um elogio e muito grata fico pela atenção e visita, honrada também. O mérito é todo do seu texto, pois não costumo escrever sobre livros com os quais não dialoguei muito bem e, cá pra nós: todos fingimos que a vida é ficção, não? Coisa normalíssima! :-) Que venha o próximo então!

      Excluir
  3. Helena, sendo indicação sua já fui lá na Amazon e já comprei.

    ResponderExcluir
  4. Oi, Helena. Bonita resenha. Me deu vontade de conhecer mais do livro. E fiquei pensando nesta história de auto-ficção. Seria literatura autobiográfica? Porque acho que toda literatura, em maior ou menor grau, é autobiográfica. Por que afinal escolhemos (ou fomos escolhidos a) escrever sobre determinado assunto, de determinado jeito? Legal, me fez pensar. :) Parabéns pelo texto. Abração

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!