quarta-feira, 1 de maio de 2013

A Cidade dos Sete Mares – Victor Eustaquio




Este livro, desde o primeiro parágrafo lido o meu desejo foi seguir, mas a vida obriga a pausas e a primeira leitura acabou sendo muito fragmentada, porém instigante, empolgante e prazerosa até o final.
A narrativa flui, envolve e pareceu-me muito bem construída, além de trazer questões que exigem do leitor. Diria que é uma mistura de ensaio filosófico e jornalismo entregue com admirável competência literária. Várias passagens e descrições estão carregadas de lirismo, ao mesmo tempo que informam, questionam ou causam grande incômodo, o que se espera aliás de bons textos, aqueles que não se propõem unicamente a oferecer uma leitura ‘gozosa’ no sentido mais pobre que essa experiência possa ter — para o leitor que busca tão somente o vazio entretenimento, digo — porém um texto escrito artisticamente e que impulsiona, provoca o diálogo e o pensamento — o que se chama arte de narrar, não é mesmo? Bom, há muitos exemplos por todo o livro, detenho-me a citar o modo sutil (perspicaz) como o autor termina os capítulos IX e XII. Quando falei em ensaio, fí-lo por ter-me lembrado de uma declaração de Saramago, certa vez. Ele cogitou a possibilidade de ter sido um ensaísta frustrado que usava o romance como forma de expressão. Não que seja esse o caso em A Cidade, apenas compartilho a idéia a que esta característica deste texto me levou. Ai mago Sará... saudade.
Interessante o uso que o autor fez do Web fórum neste livro. Dentre autores contemporâneos que tenho lido, alguns que costumam criticar pós-modernismos mas não abrem mão da experimentação, ainda não havia visto o bom uso de um recurso tão à mão quanto comentários soltos pela Web.
A qualidade narrativa no primeiro capítulo livrou-me da leve tentação de querer desistir da leitura ao chegar no segundo capítulo, quando pensei: “Ih, começou a degringolar. Estava bom demais para ser verdade...” Mas simplesmente não pude crer que um autor que tão bem se saíra nas primeiras páginas tivesse perdido a mão, assim, do nada, uma oportunidade ímpar de fisgar o leitor. Segui a leitura. Sábia decisão.
As peças do enredo vão sendo coladas pelo planejado uso da repetição, que não aborrece — do que mesmo estamos a falar? Que história estou contando, percebes? Descrições e acontecimentos estão bem equilibrados, o que dá uma boa dinâmica ao texto e faz o leitor desejar o próximo capítulo e o desfecho num crescendo de excitação. Recordo de um pequeno trecho só, durante a leitura, em que o tédio ameaçou achegar-se, porém ele não resistiu muito tempo e calado como veio, quieto se retirou.
O protagonista intriga por duvidar da própria memória e passar “a vida a tentar contactar pessoas que se haviam perdido no passado”, tomando mentiras por verdade e verdades como mentira, o que fazemos todos nós. A exploração do sexo para mim soou como uma tentativa de tirar de foco as verdadeiras histórias: as torpezas humanas, os crimes do mundo e da vida, bem como a busca eterna por respostas. Será possível escrever bem sem uma total entrega? — Faço-me esta pergunta desde o primeiro post que publiquei.
Talvez alguns leitores recepcionem o sexo como vulgar, já eu acho que eufemismos e o político-corretismo nada mais são do que percalços no caminho de quem escreve com autenticidade e paixão. Figuras, metáforas... punições, a história de um crime, de vários crimes, uma história dessas de todos nós, universal.
“as verdades que se desabafam são universais, pelo que a todos tocam, ou a quase todos, mesmo os que não comentam mas só observam, e lêem, e pensam, era mesmo isto que eu queria dizer, era mesmo isto que eu estava a sentir, mas discordo, os amigos são falsos e a Internet só serve para ampliar o jogo do quarto escuro, não há ninguém que acenda a luz, porque convém, como as cortinas e os compartimentos que separam os penitentes em confissão e os sacerdotes de Deus, a santidade do sacramento assim o dita, o sacramento da reconciliação para tudo o que é irreconciliável.”
E o final é como a vida: algumas coisas se encaixam, outras permanecem sem explicação mas fascinam e atiçam o desejo de recomeçar e seguir. E é bom que assim seja, para quem gosta de entrelinhas e persegue os sete mares, pois como bem me disse o texto: os romanos, sem os gregos, teriam existido jamais. Quem sabe?

Resumo: um texto que me proporcionou uma leitura instigante, empolgante e prazerosa até o final. Trata-se de um romance para mentes adultas, acostumadas à arte literária e ao exercício de pensar. É o que eu chamaria de 'ficção crítico produtiva', um texto para ser lido, relido e degustado, e que bem retrata velhas e novas angústias, angústias eternas humanas, de todos nós. Parabéns, Eustaquio. Recomendo e vou reler.

Ficha:
Título: A Cidade dos Sete Mares (Free Edition), 
Autor: Victor Eustaquio
Gênero: romance, ficção
Ano: 2012. 
Baixar em PDF no Recanto ou no Goodreads.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!