domingo, 2 de dezembro de 2012

De a sentir...

Foto: HFrenzel




De a sentir vestida em cores, no branco que cobre certas manhãs. Não de todos os dias mas de neve ou neblina e com sorte, dos dois: dias brancos, dias invernais. Seus dias têm tons: do cinza azulado ao branco crescente, do verde ao amarelo de ouro forte ou vermelho, dos marrons e coloridos por flores e sol. Quando acorda o dia lá já está, à espera de um levantar, um dia branco, branquinho, anunciante de paz. Privilégio de ver reação primeira, a descoberta de algo ou de outro alguém: “Quando te vi amei-te já muito antes. Tornei a achar-te quando te encontrei.(...) Que és tu a mim que eu compreenda ao ponto De o sentir...?” Descortinaram-se os dias brancos, Fernando, conscientes, vistos por primeira vez. Através da janela pensamentos vãos, uno: Que lindo! Vamos brincar?! Tornará a achar-se se aceitar os nós.







Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

  1. Pena que aqui não temos dias brancos assim...

    ResponderExcluir
  2. Helena, lindo texto! Parabéns! Obrigado pela indicação de leitura. A melhor frase para meu momento é a última: "Tornará a achar-se se aceitar os nós". Abraços!

    PS: Esse "Fernando" do texto... Fernando Pessoa?

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!