terça-feira, 18 de setembro de 2012

Felicidade por Direito?

Foto: HFrenzel, 2012


Nunca se falou tanto em felicidade como nos últimos tempos. A chamada Psicologia Positiva está aí pra confirmar. Os americanos há séculos declararam, e na Constituição, que todo cidadão tem ‘o direito’ de correr atrás da sua, persegui-la e capturá-la, sem mais. Seria esse o tão falado sonho americano? Não sei, não manjo de americanos, gosto mesmo é de filosofar. As crianças de uma geração após a minha já nasceram sabendo que têm direito a tudo, e que merecem o mundo a seus pés. Só que seus pais esqueceram-se de dizer-lhes que há também os deveres, e que pra tudo, até para a felicidade, há um preço a se pagar: trocado em esforços nada miúdos e acrescidas frustrações. “É impossível ser feliz sozinho”, nos diz a ‘Onda’ de Tom Jobim. Será mesmo? A felicidade começa em nós mesmos mas para que ela nos torne gente e faça sentido, estranhamente precisamos compartilhá-la: e quanto mais vazios, mais cheios. E lembrando versos de Solsbury Hill, de Peter Gabriel: "A LIBERDADE faz piruetas quando penso que sou livre", penso que, ironicamente, seus ‘primos’ devem fazer o mesmo, quando imagino que tenho direitos e sou feliz.


Crônica originalmente publicada no BVIW. Confira os outros textos e os comentários da rodada "Limites da Felicidade" aqui!


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!