quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Eu e a Poesia



Foto: HFrenzel, 2012 - "Poesia busca flores; abelhas também"




Nunca me achei poeta mas Poesia sempre me acompanhou. Poesia da música, dos pássaros, concreta, dos seres, bucólica, surreal, fechada ou aberta e em todas as modas que a tentam enquadrar, em vão. De outros autores chego a lembrar de poemas inteiros mas pareço incapaz de recordar dos meus; por isso os releio, reviro e revejo, neles busco quem sou; e não por ter rima, ritmo, métrica, por conter figuras, linguagem ou som, ter ou não ser. Poesia foge de formas e quadrados, fala sentimentês. Autoridades afirmam que poetar é sagrado e poemas com Poesia é coisa rara de se ver; não entro em atritos, muito pouco sei. Por isso é que eu digo: Poesia eu não faço, eu brinco com versos, com coisas banais. Poeta, além de alguém que engravida versos, é alguém que aprendeu a enxergar. Não sei se enxergo, mas muito do que vejo eu rearranjo, repinto e o produto retorcido  —   a letripulia  —  compartilho se me apraz. Por isso às vezes emudeço quando me pedem para julgar um poema, de chofre, dizer se gostei ou não. É que estou já convencida de que Poesia não quer ser julgada nem perseguida, ela quer ser encontrada, e por acaso, entre o comum e o especial. 

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!