domingo, 10 de junho de 2012

Como a Tecnologia Evolui


Foto: HFrenzel 2012



Não pertencia à tribo dos iLetrados Tecnológicos; muito pelo contrário, sabia bem como as coisas funcionavam e melhor ainda: como fazê-las funcionar. Só queria mesmo era um telefone, prático e econômico. Após esgotar catálogos buscando um modelo na Internet, dirigiu-se a uma loja não-virtual. Ah, disse o atendente, esse aparelho só pra telefonar que procura não encontra não, duvido!, todos têm funções adicionais. Inacreditável, pensou. Todos os modelos incluíam GPS, câmera e navegador, sem falar na Web. Havia um com identificador e gerador de conversa fiada, muito bom para escritores, por sinal - disse o vendedor -, outro com regulador de vibração e um terceiro que recebia por satélite sinais de TV e os reproduzia em 3D; mas, tudo o que queria era só mesmo poder telefonar. Lembrou-se do dia em que teve que ficar à chuva, esperando um ônibus numa parada erma com risco de aparecer nas páginas policiais; tudo isso só porque não tinha um celular e não havia mais orelhões ou essas cabines antes chamadas telefônicas, nem mesmo um telefone daqueles só para casos de SOS. Por isso traíra o movimento, tinha que ter celular para tais situações. Entre o da conversa e do 3D, decidiu-se pelo de forma estranha, de cor marrom; o preço, a martelada final: Levo! Ainda na loja, testou a função de telefone e as adicionais deixou para casa. Uma semana mais tarde voltou à loja. Devido à garantia, o vendedor logo perguntou-lhe se desejava trocar. Sim. O aparelho não lhe satisfez? O telefone agrada, no entanto o design... Não teria um assim mais roliço e tal, indagou meio sem jeito. Pois se não tinham, trataram de providenciar! Pura questão de design, assim a tecnologia evolui. E um viva aos adicionais!
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 10/06/2012
Código do texto: T3716065

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Olá, Helena|! Um telefone que só telefone? Não existe, I'm sorry... confesso que uso mais a câmera do meu celular (ver fotos em meu blog) do que aquela parte inútil, chamada telefone. Quase nem saio durante a semana e o telefone do celular é quase inútil. Se um dia ele parar de funcionar acho que demorarei a perceber... rsrsrs

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!