sexta-feira, 4 de maio de 2012

A palavra duvidosa é...


OBSEDADO


Um dos maiores ganhos em praticar-se leitura e escrita é o cuidado que passamos a ter com as palavras, seus significados e usos. As gramáticas internas que possuímos – mecanismo que nos possibilita decodificar uma ou mais línguas desde o ventre materno – nos permitem identificar erros que, muitas vezes, não sabemos justificar, mas sabemos que fere o padrão armazenado (1). Exemplo disso foi o que se passou comigo ao dar de encontro com a palavra ‘obsecado’. Li esta palavra, assim grafada num texto ou comentário, e algo saltou dentro de mim. ‘Ob.se.ca.do’: as pessoas usam esse termo, já ouvi e usei várias vezes na fala; por que cargas d’ água estaria errado? Deve ser parente de ‘obsessivo’ ou ‘obsessão’, deve estar correto, pensei. Qual! Fui então consultar um dicionário. Encontrei ‘obsessivo’, ‘obsessão’, de ‘obsedar’ e ‘obsedante’, mas nada de ‘obsecado’. Tinha que haver uma razão. Fixada numa resposta, voltei então umas páginas atrás e, bingo: um ‘obcecado’ com ‘c’, de ‘obcecar’. Num dicionário online encontrei ‘obsedado’, mas não sei se esta forma é aceita como correta na norma culta do português brasileiro atual. Quem sabe, esta palavra - assim grafada e ‘assada’ empregada - tivesse me passado ao largo não fosse essa mania obcecada (teimosa) que eu tenho de escrever e perguntar.


(1) Estudos sugerem que, no cérebro, armazenamos palavras não aos pedaços, e sim padrões e situações em que ocorrem; é por isso que ao aprendermos uma segunda língua um conselho é memorizar as palavras em contexto, numa frase ou num padrão. Por exemplo: artigo + substantivo (a obsessão); verbo + preposição (obcecado por, fixado em).


Se alguém souber um pouco mais sobre essas formas, grata por contribuir .



---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado também no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 04/05/2012
Código do texto: T3648736


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Olá, helena. Sei que cometo alguns erros horríveis, mas o que eu sei, aprendi mais nos livros que li do que nas escolas e aulas de gramática. Aprendi, como se diz, por osmose.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!