quarta-feira, 16 de maio de 2012

Letras bobas, séria questão

Diz a lenda que, numa viagem de ônibus, um grupo de jovens deu vida a um refrão. Tempos depois, alguém do grupo, numa festa, deu uma ‘palhinha’; outro alguém ouviu, gostou da idéia e usou numa composição sua registrada, legal. Tempos mais tarde, caiu a dita nas graças de uma banda, que a pediu para gravar. Letra boba, banda sem glamour e, contrariando expectativas, foi um sucesso a canção, hit internacional. Sucesso gera dinheiro que move interesses que causam brigas. Do bolo de notas, todos queriam provar; e direitos de autor. Isso se deu numa terra distante, por ali por acolá.

Já em Fufu Lalau, sem saber o que fazer com suas letras, Armindo começou a publicá-las num site, onde qualquer um podia comentar. Belo dia, juntou Armindo letras, comentários, tudo num saco, deu um nó, chacoalhou; tirou de lá um livro novo que, contrariando expectativas, virou sucesso mundial traduzido em várias línguas. Sucesso gera dinheiro que move interesses que suscitam brigas e logo, muitos dos ‘colaboradores’ vieram reclamar sua fatia no bolo de notas que Armindo ganhou. Tivesse o tal livro nem existido, ou sido comprado apenas pelo próprio autor, estariam, quem sabe, as letras do Armindo inda hoje dormindo na rede, em companhia das tão caras ‘contribuições’. Para o último juiz que julgou este caso, a séria questão tinha uma lógica simplista, boba até: contribuição, se deu está dado, e o comentário é de quem recebeu. Não se sabe se isto valeria na Bruzundanga (1), mas bem pode ser que valesse no Brasil, tendo valido em Fufu Lalau. Pelo sim, pelo não: moral da história...?


(1) Os Bruzundangas, de Lima Barreto, disponível em: domínio público gov br.



---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 15/05/2012
Código do texto: T3669035

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

  1. Pior é quando a lenda vira realidade. O direito não pode ser maior do que os princípios de ética. Seja de quem chacoalhou e reproduziu, seja de um juiz. Queria ver se eles tem a mesma 'isenção' para julgar patrimônio material, do tipo patente industrial.

    É, Helena, o negócio é ou deixar pra lá ou esconder o que se produz até a efetiva publicação registrada (pelo menos no caso brasileiro).

    Abraço grande. Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!