domingo, 1 de abril de 2012

Sísifo Grego, Sísifo Meu


Num tempo em que na Grécia não havia crises, só mitos  - e guerras, talvez – contam que viveu um Sísifo tal. Ele, tendo feito algo desagradável aos olhos dos deuses do Olimpo, foi condenado a passar a vida numa montanha levando uma pedra do pé ao topo sem jamais atingir o objetivo, pois a pedra, uma vez no cimo, rolava de cima abaixo e lá ia Sísifo fazer tudo outra vez. Já eu penso que nos primeiros anos da pena os deuses até se divertiam, pois viam-no jogar-se ao chão e bater pernas de tanta ira, até que um dia ele resolveu pensar: já que a pedra ia rolar de qualquer jeito, melhor era encontrar formas de se distrair durante o caminho. E foi assim que na segunda, enquanto rolava a pedra grande, ia catando as pequeninas que lhe chamavam a atenção. Encontrou ametista, ágata, rubi e até diamante, vez ou outra achava até metal, um pouquinho de ouro aqui, outro acolá. Foi colecionando. Na terça, rolava a pedra em espiral, na quarta, em linha reta, na quinta, em zigue-zague, na sexta, ao invés de empurrar ia puxando, no sábado, usava variações e no domingo, ao final de cada turno, fazia longas pausas pra ficar olhando a paisagem e se inspirar. Na próxima semana, tudo invertido ou intercalado. E ele foi ficando tão criativo que chegou a um ponto em que os deuses começaram a fazer apostas do que ele ainda poderia inventar. Com o tempo, porém, notando que ao final do trabalho Sísifo divertia-se muito vendo a pedra cair, os deuses foram perdendo o interesse em observá-lo e decidiram que já era tempo de romper aquele ciclo infernal. E ele, embora felicíssimo com a libertação, não deixou a montanha. Tendo-se tornado especialista na região, resolveu ganhar a vida como guia de turistas que pagavam muito bem pra fazer montanhismo, trilha ou outro (dito) esporte radical. E vinha gente de todo o mundo só pra fazer isso. Acho que esse Sísifo (o meu, não o grego) morreu velhinho, saudável, feliz e rico, ainda por cima fazendo o que gostava, sem sentir o tempo passar. Críticos ou céticos de seus métodos pouco lhe importavam, mais valeu o aprendido nos caminhos do que a pedra em seu lugar. Aliás, ao final de todo o ciclo ficou a pedra no meio do caminho, servindo de inspiração a poetas e outros meros mortais.


------------------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 01/04/2012
Código do texto: T3588713

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Boa tarde, Helena! Parece até a história de todos nós... se não encontramos maneiras criativas de lidar com os problemas, passaremos a vida nos lamentando, quando poderíamos, através deles, criar coisas novas, acrescentar riqueza espiritual às novas vidas e aprender a inovar. Mas, me diga: onde é essa montanha cheia de ouro e pedras preciosas? Gostaria de arrastar uma pedrinha por lá...

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!