domingo, 22 de abril de 2012

Escrever: o que tenho aprendido até aqui - II


    Foto: (c) 2012 HFrenzel

Há escritores que dizem: não releio meus escritos, e o fazem por várias razões. Seja para não se confrontarem com a qualidade de seus textos antigos e pensarem: escrevo agora pior ou melhor; seja para não perderem tempo com o passado, ou não caírem em tentação de alterar os escritos, pecado mortal para alguns. Vez ou outra, releio o que escrevi pois tento, humildemente, aprender de mim. Antes, não hesitava em melhorar os textos; agora, tento não alterá-los mais; são uma foto do momento em que os escrevi. Pode ser que no futuro eu deixe de relê-los, repetir-me e comparar quem estive com quem estou ou quero estar. Uma coisa porém me incentiva a seguir relendo: quando eu nada mais tiver dito, aí sim, terei chegado lá. Como bem já disseram outros grandes autores: quem bem faz literatura nada tem a dizer, só a mostrar.




---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado também no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 22/04/2012
Código do texto: T3626443


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Releio antigos textos o tempo todo. Gosto de saber de onde vim, e perceber as mudanças pelas quais passei...

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!