quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O Caso da Barriga


Mulher barriguda a ninguém intriga, mas, da noite pro dia, crescer u'a barriga?!

E a filha de Tonha, assim, de repente, surgiu de barriga -- surpreendente! Pelo tamanho da pança, com bem uns cinco contavam e, pelas contas da mãe, umzinho faltava: se dois é pouco e três é melhor, que dirão de quatro?! E de quatro ficou o povo, besta, ao saber: “Quatro marias, Seu Menino, quatro marias vão nascer!” E fizeram assim assim: “Ajude a filha de Tonha, doe aqui, doe acolá, pois a pobre não tem nada, nem marido para dar!“ “E quem foi o responsável por esta geração?” A varinha de condão à sombra de um jatobá, e a cópula, ao pé, debaixo da copa do pau, da árvore, digo. Menino, foi aquela comoção, bem típica da região. Só não creu nisso o Juvenal, filho de Zé do Coco, que estudara na capital e voltara pra terrinha cheio de vontade de ajudar o povo (a se instruir e melhorar). Qual o quê, ignorância é manta de cetim que o povo adora vestir. Quem entende logo isso, e deixa Fufu Lalau, taxado é, rapidinho, de egoísta, ‘traíra’ e tal. Sabendo bem das coisas, foi Juvenal ao grão: “Vou perguntar ao médico que cuida da região.” “Pois há quatro meses, grávida estava não”, disse o médico sem receio. Menino, veja o resultado do falado embaraço: além de perna curta, barriga inflada e cara de pau -- aberração, que em Fufu Lalau há muito virou normal. “Devolva minha doação”, uns foram reclamar. Devolver, nada devolveram e quem deu não quis brigar. E a filha de Tonha, ainda foragida, nunca mais pôs a cara na rua, que dirá a barriga. Mudou-se pra bem longe, dizem, teve tudo o que queria: fez transplante de rosto, lipoaspirou a barriga. A conta da mentira: sete vezes sete, sem juros e em prestações, pagou com a cara mais limpa e as arrecadações. Mas como em Fufu Lalau o povo é muito bonzinho, mais dia menos dia e ninguém falou mais nisso. Mas o besta do Juvenal, que pra não perder a memória registrou tudo nos livros, ao fazer-me uma visita contou-me este ocorrido. Pois é, Juvenalzinho, como bem já haviam dito: pra extinguir a malandragem, só acabando com os bonzinhos.Causo inspirado em contos do vigário da vida real, aqui contado com elementos de fantasia, portanto: irreal. Qualquer semelhança com nomes de pessoas ou lugares, pura coincidência.
Aqui, um áudio para este texto.
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 25/01/2012
Código do texto: T3460235

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!