sábado, 12 de novembro de 2011

Marginal

Esta história contou-me um amigo.

Quando criança, perguntou-lhe a mãe: “Meu filho, o que queres ser quando crescer?”. “Marginal, mãe!”. Silêncio. Ela nada entendeu. É que marginal, além de bandido, delinquente, também é 'à margem', como ele queria viver. Naquele tempo, bem pequenino, ele já brincava com as palavras, e sabia muito bem o que elas podiam dizer. Já sua mãe, coitada, soltou um “Meu Deus! Marginal, oras, isso lá é coisa que se queira ser?!” E eu diria: 'estar', como agora estou, marginal, onde gosto de ficar.
Helena Frenzel
Também publicado no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 12/11/2011
Código do texto: T3331339


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Oi, Helena! Isso me lembra uma outra historinha que me contaram. O cara vai a um templo onde se prometiam milagres e diz ao celebrante que queria ser despossuído. O religioso lhe diz que ali não era lugar de derrotados e sim de pessoas que buscavam a prosperidade. Ele disse, mas eu estou de posse, só que do demônio.
    Ah, bom!
    (se deu certo, isso eu não fiquei sabendo.rsrs)


    Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!