sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Neura ou neuro-programação?


Minha filhinha está crescendo num ambiente bilíngüe – com trema mesmo, assim, pela ‘treimosia’ minha, que é enorme grande demais (também o pleonasmo). Quem sabe um dia, quem sabe... Pois bem, entre meu ‘alemão capenga’ e  meu ‘português ruim’, optei pelo segundo, que ouvia já na barriga da mamãe, e é o idioma em que me solto mais.

Procurando músicas infantis em português brasileiro, deparei-me com certos problemas e algumas questões. As mais modernas: muito barulhentas; as mais antigas: belas e simples melodias; as letras, em ambas, hummm... (fazendo bico e torcendo o nariz). Para quem já tem um pensamento formado,  ‘no problem’, mas para quem ainda está para formá-lo... sei não!
Sei que, em questões meio esotéricas ou ciências novas, dessas que se ouve muito questionarem, acho válido, pelo menos, considerar as idéias principais. Isso porque, simplesmente, desconhecemos ainda muita coisa, como é o caso de muitos dos programas que ‘rodam’ em nosso cérebro e determinam nossa forma de agir e pensar. E esta, pelo que entendi, é uma das questões que neurolingüístas tentam explicar: como  construções verbais influenciam e/ou determinam nosso comportamento.
Alguns estudos mostraram que construções positivas trazem mais benefícios do que as negativas. Por exemplo: para alguém que deseja emagrecer, ao invés de usar "não quero engordar", mais produtivo seria dizer “quero emagrecer” devido à forma como o cérebro, supostamente, processa as negações. Fato é que, palavras dão comandos, e comandos geram ações. Lembrando do treinamento que recebem soldados – alguns, verdadeiras máquinas de matar –, acho que essas idéias têm certo fundamento.
Algumas pessoas gostam de ficar dizendo "Ich kann nicht" (eu não posso) – e acabam não podendo mesmo! Mais eficiente mostrou-se o  slogan obamístico: “Yes, we can!” (Sim, podemos!). Bom, a eleição do presidente de um país envolve muitos outros fatores, e esse foi apenas um exemplo inocente, nada prova, nada mais.
Se palavras influenciam ou determinam nossos pensamentos e ações, deveríamos MESMO prestar mais atenção ao que cantamos para nossos pequeninos, independente de idioma. Ameaças como “boi da cara preta, pega essa criança que tem medo de careta”, “nana neném que a cuca vem pegar” ou comportamentos maliciosos como “Samba-lelê tá doente, tá com a cabeça quebrada, Samba-lelê precisava é de umas boas lambadas”, “atirei o pau no gato” etcétera são letras que, conscientemente, evito ou tento mudar.
Helena Frenzel
Publicado também no Recanto das Letras por Helena Frenzel em 28/10/2011
Reeditado em 28/10/2011
Código do texto: T3302561

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

2 comentários:

  1. Helena, quanto tempo! Tudo bem?

    É realmente uma questão complicada. Entre as canções modernas e as antigas, fico com as segundas: além das belas melodias, vejo menos problemas nas letras.

    Apesar do conteúdo, as letras das músicas antigas ainda são melhores (na minha opinião) do que as coisas que vejo hoje em dia, que parecem destinadas a "retardar" as crianças, com uma repetição de sílabas sem muito sentido (para um adulto, pelo menos).

    Por fim, quando sua filha for crescendo, seria o caso de discutir com ela os valores que estão nas letras das músicas. Mas não "eliminar" esse conteúdo "universal" da formação dela. Pelo menos é isso que eu acho, embora concorde com você quanto aos efeitos que as palavras positivas têm sobre a vida da gente.

    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Helena, isso realmente é uma questão nada desprezível na formação dos nossos rebentos. O exemplo dos pais invariavelmente é seguido pelos filhos em algum momento da vida ou em vários ou ainda em todos. Acho que minhas duas filhas gostam tanto de ler por influência minha e das mães delas. Sempre nos viram lendo ou ouvindo histórias que contávamos de livros. A música também tem um peso na formação, pois ela é fruto da cultura (ou de mercado ou de construção mais para o lado erudito). Mesmo a música popular tem seus pontos e contrapontos, mas creio que isso você conhece muito melhor do que eu.

    Se aceita sugestão, eis três discos que nunca faltaram em minha casa quando minhas filhas eram pequeninas:

    - Brincadeira de Roda, estórias e canções de Ninar (Solange Maria e Carlos Nóbrega, com narração de Elba Ramalho);

    - A Arca de Nóe, de Vinicius e Toquinho

    - Os Saltimbancos de Chico Buarque

    Helena, agradeço-lhe imensamente a solidariedade e o carinho pelo meu luto. Um grande abraço para você e sua filhinha. Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!