domingo, 29 de maio de 2011

O Falar Maranhense - II


Bom ter este espaço para compartilhar coisas boas!

Motivada por minha postagem O Falar Maranhense – I, onde faço uma pequena contribuição à coletânea (1) compilada por José Neres e Lindalva Barros, uma amiga enviou-me, via Email, o texto abaixo. Se você é ou conhece o autor ou a autora deste texto, favor manifestar-se. Não quisemos nos apossar de obra alheia, de forma alguma!, apenas divulgá-la, por ser um ótimo exemplo da fala popular em certas regiões do Maranhão. Se o que fiz o desagrada, favor manifestar-se que tirarei esta postagem o quanto antes do ar. Obrigada.

-------------------------

PARA MARANHENSE LER: UM DIA NA VIDA DE REGINETE
Reginete, a empregada da casa do Vieira, chega da Rua Grande toda querendo ser, com os pêlos de seu corpo dourados pelo Blondô (que ela havia comprado e passado um final de semana antes na praia do caôlho), de traca amarela por cima do cabelo nhém alisado com enê e com dois litros de kolene (ou Kolecarpina) escorrendo pelas costas, uma japonesa bandeirosa cor de rosa com pontuação 2 números acima da sua, um top verde-cana aparecendo o "imbigo", rebolando e exibindo sua calça nova, daquelas bem apertadas, quase mostrando o rêgo e lá no rendenguo, que comprou pra sair à noite. Logo gerou um bafafá dos invejosos da rua.
- Olha a barata da casa do seu Vieira. Só quer se aparecer! Tá escritinha uma fulêra!
- E tu parece uma nigrinha dando conta da vida dos outros - retruca à  mulher Seu Barriga.
Os piquenos soltaram o papagaio para olhar...
- Éguass Reginete! Tá bonita como quê!
- Hmmmm piqueno. O que é heim? Só porque to com minha calça nova? Comprei na Lobrás tá?!
Victor, o mais novo da turma, desinformado, questiona:
- O que é Lobrás?

- É uma loja, abestado. Ao pegado da Mesbla. Defronte as Pernambucanas. Onde a gente vai sempre capar bombom - corta Guga.
Caverna, sempre casqueiro, largou sua curica, feita de talo de coqueiro e folha de caderno, e veio, catingando que só ele, arrumar cascaria com Guga.

- O quê que tu quer?! A nêga é minha.

- Hmmmm tu quer te amostrar pros teus pariceiro? Te dôle um bogue!!!
- Me dáli??? Rapá, tu não me trisca!!!
E a galera querendo ver o siribolo vem zilada jogar lenha na fogueira.
- Éééésseeeeee!!! Tá falando da tua mãe!!! Chamou de qualhira!
- Éééguasss... eu não deixava!!! Cospe aqui - diz Dudu estendendo a mão.
Mas Guga não entra na conversa dos amigos:
- Vocês só querem ver a caveira dos outros!
- Ihhh gelão... cagou ralo heim Guga??? Peidou fino!!! Tá aberando...
Até que chega Lombo, o mais velho da turma, que jogava peteca naquele momento. Ele intervem:
- Ê Caverna, tu já tá coisando os outros aí né?! Vaii já levar um sambacu!
- Hen heim. Vamo já te dar um malha - confirma Guga, aliviado com a intervenção de Lombo.
- Hen heim - ironiza Caverna imitando Guga com voz afeminada.
- Não me arremeda não!!! Olha o raspa!!!
- Ahhh... vai te lascar!!!
Depois do furdunço por sua causa, Reginete sai toda empolgada, só querendo sê, de lá, e decide dar logo uma parada na quitanda da Zefinha, lembrando que seu Vieira havia pedido que ela comprasse alguns ingredientes para garantir o fim de semana, já que Dona Veridiana ainda não havia feito a Lusitana do mês.
- Oi Dona Zefa, quero camarão seco pra botar na juçara da dona Veridiana e fazer arroz de cuxá. Me arrume 3 Jeneves também, 2 quilos de macaxeira, um lidileite alimba, 2 pães massa fina e 4 massa grossa! Ahh... e uma canihouse pro seu Vieira!
A senhora vai checar seu estoque no freezer e retorna:
- Ê essa outra... Diz pro Seu Minino que só tem Guaraná Jesus. Vais querer levar agora? Vais querer quantas mãozadas de camarão?
- Três mãozadas tá bom. E pode ser Jesus sim.
Ao chegar em casa com as compras, seu Vieira repreende a moça:
- Eita mas tu amola, fica remancheando pra trazer o cumê. To urrando de fome aqui já! Cuida piquena!! Vou só banhar e quando voltar quero ver tudo pronto. Tu fica caçando conversa, ta rasinho pra eu te mandar embora...
- Ô seu Vieira... o senhor é muito infarento! Já to arriliada com uma confusão dos meninos na rua. Não me aguneia, não! Confie ni mim que faço tudo vuada! O senhor sabe que...
- Já seiii... tá bom... aí fala mais que a nêga do leite. Eu heim?! - seu Vieira interrompe.
Neste momento chega Marquinho, filho do seu Vieira, com a equipagem da Bolívia Querida toda suja. Sinal de mais trabalho pra Reginete.
- Minino, olha essa tua roupa. Tava num chiqueiro era? Vai ficar encardidinha! Isso não sai não! E esses brinquedos?! Tudo esbandalhado! Aí não tem jeito! Olha... tá só o ceroto!
- Tava jogando travinha com os moleques! Não enche e me dá logo esse refri aí que to com sede.
- Hum Hum. Isso é do seu Vieira!
- Marrapá! Por quê?! Deixa de canhenguice, piquena!
- Deixa eu cuidar comigo que ainda quero sair hoje pra radiola no clubão! Vai rolar só pedra!
Passada a janta, Reginete já exausta lava a louça e reflete sobre seu evento da noite: 'Já estou é aziada e as mininas não ligam. Amanhã começa mais um dia de trabalho e se sair hoje ainda fico lisa pro fim de semana!'. A moça muda de idéia e segue sua rotina. Todos os preparativos para a noite foram em vão? Nãããã! O importante foi chamar a atenção e não se achar mais uma no meio da multidão!

Se você não entendeu ou não conhece essas expressões ou verbetes, com certeza não é Ludovicense...

(Autoria não divulgada no Email original.)
-------------------------



(1) Esta coletânea pode ser baixada na escrivaninha do José Neres. 

Notas:
Ludovicense: quem nasceu em São Luís do Maranhão.

Tradução para o Português: talvez, numa próxima postagem.

Classificação no Recanto: como 'resenha/livros' apenas para manter numa mesma categoria textos relacionados.


Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 28/05/2011
Código do texto: T2998378


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!