domingo, 10 de abril de 2011

O Mago – Biografia de Paulo Coelho por Fernando Morais – Comentário Emocional


Acabei de ler este livro, em Alemão. Acabei não, minto; hoje pela manhã cheguei à última página, e agora já são 19:42. Pois bem, impressões: a história de que trata este livro é um tributo ao poder da propaganda e do capitalismo, ao conhecimento e à exploração de uma das maiores fraquezas humanas: a superstição. Por outro lado, um livro muito bem escrito, uma história de vida que não deixa de ser interessante, por vezes tanto, que cheguei a duvidar de que as coisas tenham sido exatamente como foram contadas, ainda mais do ponto de vista de um amigo e admirador, como se declara o biógrafo. Outra coisa que me entristeceu foi a clara impressão que ficou de uma inteligentíssima exploração da superstição do ser humano. Talvez essa, em minha humilde opinião de leitora-ninguém, a razão para o sucesso deste ‘fenômeno’ de vendas (aqui me refiro ao biografado). Não me arrisco a dizer fenômeno da literatura, pois a literatura (brasileira e mundial) só perde em qualidade com coisas deste tipo. Do começo ao fim a mensagem me pareceu clara: Coelho sempre sonhou ser mundialmente famoso, coisa que, de fato, conseguiu, ninguém duvida, e neste ponto é mesmo a história de um vencedor — Aqui na Alemanha, por exemplo, único autor brasileiro que se encontra fácil em bibliotecas e livrarias. — A pergunta que ficou, porém, foi: “A que preço?” Outra coisa, ninguém pode acusá-lo de charlatanismo: ele disse que queria ser famoso, e em nenhuma linha do livro lembro de ter lido que queria ser bom escritor. Antes de ler esta biografia, os únicos livros de Coelho que já havia lido foram ‘O Alquimista’, uma versão em Inglês que veio quase de graça numa dessas promoções de liquidação, e ‘Verônica decide morrer’, versão em Alemão que comecei a ler e nunca terminei. E olhe que ambos livros são bem pequenos em quantidade de páginas. Talvez termine agora a leitura do segundo, por curiosidade, também por, na biografia, ele ter sido ‘apontado’ por um leitor famoso (Umberto Eco) como o melhor livro do autor. Eco também declarou, conta o biógrafo, não ter gostado de ‘O Alquimista’, pela simples razão de que Paulo Coelho escreve para ‘crentes’, e ele, Eco, para ‘descrentes’. Tenho lá minhas dúvidas sobre as declarações reproduzidas nesta biografia, mas quem sou pra questionar, não? Toda história depende muito de quem a conta. Após a leitura, restou-me uma certeza: não perdi meu tempo jamais tendo me deixado seduzir pela propaganda de Coelho, e como não sou ‘crente’ (no sentido de pessoas, segundo Eco, para quem Coelho escreve), jamais corri sequer o risco de me deixar seduzir por um tal tipo de ‘literatura’. Ah, após a leitura fiquei com mais nojo ainda de 'autores' que fazem fortuna plagiando outros, descaradamente, do mercado editorial e das instituições 'literárias' que vendem seus ‘princípios’ na esquina, para qualquer um. Deste mundo ‘literário’, em qualquer lugar do mundo, Deus que me proteja e guarde! No entanto, é bom saber que estas coisas existem.

Aqui registrei unicamente as sensações que ficaram após a leitura do livro. Para informações técnicas, consulte um resenhista profissional de sua confiança.

Texto escrito em 18.03.2011, 19:40



---------------------------------------------------------------------
Não sigo o novo acordo ortográfico em Língua Portuguesa. Se deseja reproduzir este texto, no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 09/04/2011
Código do texto: T2898136


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Favor informar o nome da autora. Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!