sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Sonhos bobinhos, piche e muito azar


Certas lembranças, seria bom se pudéssemos guardá-las para sempre. Sabendo que isso é impossível, confiando apenas nos arquivos da memória humana, escrevemos. Sim, vai ver por isso escrevemos tanto: para não esquecer! Situações como, no meu caso, por exemplo, o show de despedida de uma banda querida.

Difícil explicar em poucas linhas o que se sente ao realizar um sonho, por mais bobinho que seja. Vi-me com quatorze anos, vivendo em São Luís do Maranhão, louca por criar asas (um dia só!) e poder voar para o Rio de Janeiro, cidade em que essa banda querida se apresentou numa de suas raras visitas — talvez única — ao Brasil. Lógico que se eu morasse no Rio, na época, dificilmente conseguiria permissão da mãe para ir ao show, e como desobediência é parte de muitas adolescências, talvez tivesse ido assim mesmo: com ou sem consentimento. Se bem que sempre preferi o time dos ‘caretas’. Vai ver por isso mesmo ainda estou por aqui “vivinha e bulindo”, como diz a minha tia.

Pois bem, passados mais de 20 anos, vi esse meu sonho se realizar naturalmente, ano passado, e com que emoção! Pena que foi o último show da banda, que, depois de 25 anos de existência, decidiu se separar, e em grande estilo. Estive em um dos shows da turnê de despedida, na cidade mais antiga da Alemanha, Trier, fundada pelos romanos com o nome de Augusta Trevorum no século 16 a.C. Resquícios dos romanos estão ainda por toda a cidade: restos de Termas e o mais famoso monumento da cidade, o imenso portal denominado Porta Nigra.

Da primeira vez em que estive lá, uma senhora contou uma lenda sobre o significado da expressão alemã ‘Pech haben’ (ter azar, má sorte). Antigamente, quando a cidade era protegida por muros, os soldados de Trier deixavam o primeiro portal aberto, se posicionavam no alto das torres da Porta Nigra e ficavam esperando os invasores se amontoarem na parte interna rente ao segundo portal, daí fechavam o primeiro e jogavam piche, resina negra e pegajosa derivada do alcatrão ou da terebintina (segundo o Houaiss), substância que, em Alemão, também se chama ‘Pech’. Para os invasores que recebiam o piche (borbulhando!) na cabeça, era preciso mais do que sorte — um milagre! — para sair vivo dali. Daí o povo passou a usar “Pech haben” (levar piche) para situações em que alguém teve muito azar.

Pois bem, comecei lembrando da minha banda querida e acabei nos portões de Trier... Desculpe, estou num momento de escrever aqui só para relaxar, sem pensar muito. Quanto à lenda do piche, se é mentira, culpa da senhora lá! Apenas recordei aqui o que ela contou.

A você que me leu, boas companhias e muita sorte ao longo do dia, pois piche na cabeça (ou azar) ninguém merece! — se bem que, no caso de ditadores e políticos bandidos... "Cala-te boca!" Um abraço fraterno!



----------------------------------------------------------------------------
Se deseja reproduzir este texto no todo ou em parte, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 23/02/2011
Código do texto: T2809483



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Agora fiquei curioso para saber que banda é esta. Há vinte anos eu ainda estava bem jovem e deduzi que ela deve ter me feito curtir uma boa música também. Quanto ao piche eu concordo com o uso específico para certas categorias.rsrs. Abração, Helena! Ótimo final de semana. Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!