sábado, 4 de dezembro de 2010

A Espera


Todos os dias esperava que ela passasse, mesma hora, itinerário, sempre o mesmo local. Seus pais achavam estranho aquela mania, porém ‘coisas da juventude os anos levam’. Como belas lembranças de carnaval ou loucos arrastões, tanto faz, o tempo leva, essa é sua função, levar. ‘Espere passar...’ as palavras da última mensagem não faziam sentido. Esperava uma resposta, indiferença, acesso de raiva talvez, mas nada semelhante àquele ‘Espere passar...’. O que teria ela querido dizer com aquilo? Ligar e insistir numa resposta seria um risco, melhor mesmo era esperar que ela passasse, todos os dias, num deles criar coragem e, então, perguntar o que quisera dizer. Com as mãos úmidas e o coração na boca viu que ela se aproximava, e naquela manhã estava só. Apressou o passo em sua direção. Desmanchou-se todo e ao mesmo tempo encheu-se de ânimo ao ver que ela sorria.
— Bom dia! —, disse ele, gentil.
— Bom dia. —, ela respondeu.
— O que queria dizer?—, perguntou num sopro, quase inaudível.
— O quê? —, ela perguntou, ainda sorrindo.
— A última mensagem. —, disse, tonto.
—Ah! — ela pareceu lembrar-se: — Para esperar passar...
— Que, como, aqui, hoje?! — ele não sabia onde pôr as mãos.

Então seu olhar ficou sério e, ácida, ela falou:
— Deixe passar pois não dá pra você, moço! — e baixando o tom de voz: — Foi isso o que eu quis dizer... Desculpe. — Deu de ombros e seguiu. Não olhou para trás nem esperou reações, muito menos a que veio.

A vida de ambos em frangalhos, retalhadas num ato sem pensar.

E ele ficou lá, parado, naquele dia, naquele local, esperando o tempo cumprir sua função. Em vão: não houve um só dia, um dia só, em que ela tenha deixado de passar. Numa outra dimensão, passaria... Era sua única esperança.


----------------------------------------------------------------------------
Se deseja reproduzir este texto, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.

Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 04/12/2010
Código do texto: T2652564

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. Lembrei-me de uma música fantástica lendo este seu delicioso conto, Helena! Conhece, do Vander Lee?

    "Passo o tempo pensando nela
    Passo roupa vendo novela
    Como broa de fubá

    Abro a porta, vejo a rua
    Fecho a porta, beijo a sua
    Foto no mesmo lugar

    Abro a janela, tudo escuro
    Fecho a janela todo puro
    Esperando só ela chegar

    Acendo a vela iluminando
    A passarela e vou jogando flores
    Pra Ela Passar

    Tomo banho, ponho a roupa,
    Tiro a roupa, ponho outra
    Bem mais fácil de tirar

    Faço rima, crio clima
    Se alguém chama, mando o Lima
    Atender no meu lugar

    Abro a janela, tudo escuro
    Fecho a janela todo puro
    Esperando só ela chegar

    Acendo a vela iluminando
    A passarela e vou jogando flores
    Pra Ela Passar..."

    abração. paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!