quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Memórias de Maria Teresa - Num Shopping

“Vamos às compras e atestarei quem és. Essa é velha!”, brincava Teresa ao recordar de certa vez, em viagem, quando se viu compelida a adquirir um traje, justo um dos que escolhera consciente não pôr na mala.

“A vida da gente já é cheia de bagagens, não? Pra quê piorar? Menos é mais!”. Peça básica, terninho, coisa que certos entendidos chamam de ‘tailleur’. Teresa não é disso, de moda, muito menos de shopping, ato e lugar.

Não podendo afastar de si aquele ‘compre-se’ resignou-se, foi, e lá chegando, no shopping, acionou cronômetro: “Mais de uma hora não vou agüentar!”. Lojas para crianças, jovens, artigos esportivos e "Livros! muitos livros!". Resistiu à insistente tentação. “Volto mais tarde”, consolou-se ao passar pela livraria, tendo que virar a cara para não olhar.

Uma piscada era ceder, uma olhadinha que fosse e a chance de ser fisgada por qualquer título era alta que batia no teto, e seguia louca em qualquer direção, e sem vontade de parar. “Ah, uma boutique! Salva pelo canto!”. Ali era bem capaz de encontrar rapidamente o que queria, logo teria tempo para ir descontar os pecados na livraria.

Preto. Experimenta. Serve direitinho. Só faltava o preço. “Quê?! 3.000 Putos?!” Procurou inflação, tecido, marca, uma costura dourada que fosse para justificar o exagero. Nada. E não escondeu da vendedora a reação. No seu banco de experiências nenhuma situação idêntica: um traje na mesma categoria, ainda que portando marca, e naquele valor. Para não dizer que se enganava, converteu o preço para outra moeda. “Assim não pode, assim não dá!”

Mesmo necessitando do dito, odiando shoppings e podendo pagar, Teresa nem pensou em levar o terninho para casa, digo: hotel. Disse-me que se lembrou dos professores, ganhando menos de 500 Putos por mês. Não titubeou em dar cabo àquele tormento. "A lógica daquele preço, e de quem aceitava pagar por ele, só podia estar na alienação da vida e de valores. E era uma cidade pobre, acreditas?! Entende-se bem o por quê... O quê teria aquele traje que justificasse um preço tão fora do real?”

“Muquirana, mão de vaca!”, ouviu a vendedora cochichando entre dentes para uma colega. Devolveu o terno, agradeceu o atendimento e virou-se para sair. “What you don’t have you don’t need it now... Forever and ever!”, foi cantarolando a caminho da livraria. Ah! e como não era um evento nudista, foi vestida de si mesma, jeans e camiseta, com uma consciência muito mais limpa e sentindo-se muito mais feliz.

(1) “What you don’t have you don’t need it now...”
      Trecho de Beautiful Day, U2.
(2) “Forever and ever!”
      Trecho de Hallelujah – G F Handel


----------------------------------------------------------------------------
Se deseja reproduzir este texto, favor respeitar a licença de uso e os direitos autorais. Muito obrigada.
Helena Frenzel
Publicado no Recanto das Letras em 07/10/2010
Código do texto: T2542357

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Um comentário:

  1. No templo sagrado do capitalismo as tentações são tantas! Eu tô tentanto exercitar os conselhos dos passeios Socráticos. Fiz até uns versinhos:

    DEPOIS DE UM PASSEIO NO SHOPPING
    Nesse mundo do consumo
    De tanta tentação
    Melhor aprender com Sócrates, o sumo
    De quase tudo, não preciso não.

    Ou então eu corro o risco
    De entrar em depressão
    Me isolo em um tonel
    Numa síndrome de Diógenes
    E Adeus mundo cruel.

    Abração, Helena! Paz e bem.

    ResponderExcluir

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!