domingo, 27 de junho de 2010

Ode à Poesia


Te encontrei num estado de coma,
Graça, de sítio, regozijo.

“Vi um gato no mato”
Contente todo; oprimia um rato.

E por que não?!

Dúvidas? Um caminhão!

Que venham Lorca com suas bodas,
E auroras de Nova York,
Neruda com suas “odas”,
Quintana, em meu quintal.

Que venham Carlos du Monde,
E de Andrade,
O mago Sará salgar minha dor.
E tragam agregado o Matos, mão-de-agarra,
Gregório que ligeiro trepou.

E que venham Waly, Do Vale e Gonzaga do Baião.
E tragam o canto da Cora, que cora Carolinas,
Toquinhos, Buarques, Djavans.

E que venham também Vinícius – salve o poetinha! –,
Manzoni e Leopardi, num Infinito Cinco de Maio.

Que venham Amado, Molière e Cecília,
E na luz fosca do crepúsculo
Misteriosas Clarissas.

Que venham Lenons,
E McCartneys no futuro.

Que venha Wilde, irônico,
E a poetisa também
“Menina sapeca levada da breca”
Que outrora viveu em mim.

E que venhas à luz tu, minha ode,
Na simplicidade das coisas,
Na força indomável do amor.

Cansada, deitei-me a teu lado
E num mundo maravilhoso,
Por um quarto de noite
Me encontrei.
Poesia gera poesia...
Acordei e o sol brilhava.
Com um beijo e carícias te despertei.
Por isso decidiste ficar.
Helena Frenzel
Publicado também no Recanto das Letras em 27/06/2010
Código do texto: T2343687






Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original 
(Para ter acesso a conteúdo atual aconselha-se, ao invés de reproduzir, usar um link para o texto original)
Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Caro(a) Leitor(a), comentários serão respondidos no local em que forem deixados. Adoto esta política para melhor gerenciar informações. Grata pela compreensão, muito grata por seu comentário. Um abraço fraterno, inté!